Discovery Underground Lisboa

Foi hoje divulgada a lista dos 100 atletas escolhidos para participar no Discovery Underground Lisboa, a decorrer no próximo dia 12. Para quem desconhece, este evento é promovido pelo canal Discovery, destina-se a promover a candidatura de Madrid dos Jogos Olímpicos de 2020, e consiste numa corrida de 10 km pelos túneis do metro, no caso de Lisboa entre as estações de São Sebastião e a do Aeroporto. Depois do enorme sucesso que foram os eventos similares no metro de Madrid e de Barcelona, seria de esperar uma enorme adesão ao evento lisboeta, o que se veio a verificar com mais de 3000 candidaturas, mas que hoje ao ser divulgada a lista de escolhidos causou alguma decepção aos atletas tugas, uma vez que dos 100 lugares disponíveis cerca de 1/4 foram atribuídos a participantes espanhóis. Também fiquei entre os candidatos não escolhidos, mas isso não me “chateia” muito, pois apesar de gostar de participar neste evento, este coincide com o raid Tróia – Sagres para o qual tenho andado a treinar, e assim facilita-me a vida no que diz respeito a tomar “decisões difíceis”.

Por outro lado já nos idos anos 90 tive uma experiência parecida com este evento. Não consigo precisar exactamente o ano, mas ia eu para a Faculdade de Ciências para mais um dia de aulas, quando o metro, algures entre a Cidade Universitária e o Campo Grande, ficou sem energia. Após uma espera de mais de 30 minutos, eu e bem mais de 100 clientes do Metropolitano de Lisboa, fomos convidados a participar numa verdadeira aventura. Tudo começou por, às escuras e com luzes de presença mínimas, descermos pela porta traseira de cada carruagem um lanço íngreme adaptado de 3 ou 4 degraus de madeira, para o estreito caminho que separa a carruagem da parede do túnel. Mandaram-nos andar para o fim do comboio. Chegados ao fim da última carruagem, grupos de 20 a 30 pessoas, partiam ajudados pela luz de uma pequena lanterna de um funcionário do metro, à procura da luz ao fundo do túnel. Sim, ainda sou do tempo em que os telemóveis eram raros, e os que existiam ainda não eram “portáteis” nem tinham luz, portanto estávamos mesmo cingidos à luz da pequena lanterna, a ínfimas luzes de presença que não iluminavam o túnel e aos isqueiros dos passageiros fumadores. O caminho que nos indicaram para fazer foi para trás, em direcção à estação da Cidade Universitária. Circulámos assim algumas centenas de metros pelo túnel do metro, talvez mais de um quilometro, em ritmo lento mas divertido pelo inesperado da experiência, até chegarmos à estação da Cidade Universitária. Na altura ainda não corria nem ligava a estes pormenores, mas durante este pequeno trajecto deu para ter uma boa percepção de que de facto há algum desnível no percurso entre estações, que há vários “caminhos” que se podem percorrer com relativa facilidade, e sobretudo que o túnel é escuro, muito escuro.

Aos participantes no Underground Lisboa, que se divirtam com a experiência.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Sobre mim…

Chamo-me Nuno Gião e sou um atleta de pelotão que gosta de correr longas distâncias. Se há uns anos atrás me tivessem dito que ia correr uma meia maratona eu chamaria louca a essa pessoa. Imaginem se me dissessem que em 2014 iria correr uma prova 100 Km... Actualmente corro Ultra Trails, participo em desafios de endurance na natureza e é sempre uma enorme satisfação que cruzo as mais fantásticas paisagens. Tento superar os diversos desafios a que me proponho. A vida é demasiado curta e bonita para ser desperdiçada sentado num sofá.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *