No Curral das Freiras

No Curral das Freiras

MIUT 2015, Curral das Freiras, 13h20. O meu estado de espírito era de “so far so good”.

Estava tudo a correr mais ou menos de acordo com o previsto e podia agora sentar-me, descansar um pouco, comer e mudar de roupa, não necessariamente por esta ordem. Ia com 61 quilómetros nas pernas, pouco mais de metade da prova. Ia um pouco surpreendido com a facilidade que conseguia trepar todas as subidas e também um pouco surpreendido pelas dificuldades que as descidas me estavam a colocar.

Na descida da Encumeada para o Curral das Freiras começou uma dança com um casal de atletas, (ela madeirense, ele inglês), que iria durar até ao final da prova. Eles passavam-me sistematicamente a descer, eu passava-os sistematicamente a subir.

Uma das coisas que dá um boost extra durante estas provas longas, é ter presença da família ou amigos ao longo da prova.

No Curral das Freiras lá estavam a Isabel, o Ricardo, a Paula e a Andreia, para me presentearem com os seus sorrisos e palavras de motivação, a ajudarem-me na recolha do saco com a roupa lavada, irem buscar-me algo para comer, e oferecerem-me uma cerveja preta que me soube pela vida.

O boost estava recebido e era tempo de zarpar em direcção ao Pico Ruivo. Não havia mais tempo para ronhas.

Eram 14h30.

O Luís Fernandes estava a cruzar a meta no Machico.

Eu ainda tinha 54 quilómetros pela frente.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

 

Published byNuno Gião

Chamo-me Nuno Gião e sou um atleta de pelotão que gosta de correr longas distâncias. Se há uns anos atrás me tivessem dito que ia correr uma meia maratona eu chamaria louca a essa pessoa. Imaginem se me dissessem que em 2014 iria correr uma prova 100 Km… Actualmente corro Ultra Trails, participo em desafios de endurance na natureza e é sempre uma enorme satisfação que cruzo as mais fantásticas paisagens. Tento superar os diversos desafios a que me proponho. A vida é demasiado curta e bonita para ser desperdiçada sentado num sofá.

1 Comment

  • Edite de Matos

    14/04/2016 at 20:29 Responder

    Não conheço esses locais. Porém, sei que são incríveis, são pedacinhos de céu, chega a assustar, sentirmo-nos assim rodeados de tanta quietude, Posso imaginar o que sentiste…. Faço votos de boa chegada a Pico Ruivo.

Post a Comment

%d bloggers like this: