MIUT e Companhias

MIUT e Companhias

MIUT 2015. Porto Moniz. 23h30.

Faltavam 30 minutos para a partida. A maior parte dos atletas, senão mesmo todos, já circundavam o pequeno espaço montado para o efeito.

Eram muitas as caras conhecidas. Alguns amigos, muitos outros atletas com quem já me cruzei nos mais diversos treinos, ainda outros que conhecia de apenas de vista, e também alguns totalmente desconhecidos.

Por acaso do destino, partilhei a maior parte dos últimos minutos que antecederam a partida com o Diogo Tavares e com o “Ricardo nos Trilhos”, que tinham combinado fazer a prova juntos. Eu estava mentalizado que iria fazer a quase totalidade dos 115 quilómetros sozinho, pelo que não combinei tácticas ou fazer a corrida acompanhado com alguém conhecido, ia deixar-me levar pelo que o ritmo da prova e as minhas possibilidades iriam ditar.

Quer o Diogo quer o Ricardo correm, em geral, bem mais que eu, pelo que também não me passou pela cabeça acompanhá-los, mas após a partida dei por mim a acompanhá-los regularmente, talvez porque estava sem qualquer dificuldade a subir e as descidas aram pouco técnicas. Conseguia sempre apanhá-los nas subidas, no equivalente ao que eles se afastavam nas descidas. E assim fomos os três até Estanquinhos, onde a descida que relatei aqui não me permitiu que os acompanhasse por mais quilómetros.

Seguiram-se 30 quilómetros até Curral das Freiras, trajecto que percorri “sozinho”.

Na descida para Curral das Freiras começou a dança que relatei aqui com a Francesca e o Michael. Seguimos nesta troca de posições, eles à frente nas descidas, eu à frente nas subidas, até à Portela. Facto curioso e que relatei aqui, foi eles quererem desistir na Portela por pensarem que não chegariam ao fim da prova antes do tempo limite. Tive de lhes dar uma ensaboadela à Mourinho e lá seguiram, tendo terminado o MIUT à minha frente. Foram cerca de 50 quilómetros em companhia mútua, com muita conversa sempre que nos cruzámos nas ultrapassagens, que foram mais que muitas.

Algures no quilómetro 70 e picos e a caminho do Pico do Areeiro, a minha maior surpresa: apanhei um grupo de amigos com quem gostaria de ter ido até ao fim: o Serradas Duarte, o Picão, o Rui Pires, o Roque, o Túlio e o André Carvalho, todos eles que correm tanto ou mais do que eu. Seguiam em ritmo tranquilo e em amena cavaqueira e a tentação de ficar com eles foi grande. No entanto estava consciente de que seguia com limitações, o meu ritmo estava um pouco mais rápido do que o deles, mas se eles decidissem acelerar o mais certo seria que não os conseguiria acompanhar, pelo que tomei a decisão de seguir sozinho ao meu ritmo. No entanto, fizeram-me companhia até ao final. A cavaqueira era tanta, que eu apesar de ir algumas centenas de metros à frente, conseguia ouvi-los quase como se estivesse com eles. Nos sete abastecimentos até final, eu chegava ao abastecimento e alguns minutos depois chegavam eles. Eu saía, alguns minutos depois saíam eles, e começava de novo a ouvi-los ao longe. Foi assim durante mais de 40 quilómetros até chegarmos à meta. Sempre com aquele burburinho de vozes como ruído de fundo.

Após cruzar a meta partilhei a refeição de celebração com o JP Queirós que chegou logo depois de mim, e ainda partilhámos a viagem de táxi até ao Funchal.

A todos os que aqui referi o meu obrigado pela partilha de quilómetros e por me terem ajudado, mesmo que indirectamente, a chegar ao fim com o objectivo cumprido. Foram todos importantes nesta aventura.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

 

Published byNuno Gião

Chamo-me Nuno Gião e sou um atleta de pelotão que gosta de correr longas distâncias. Se há uns anos atrás me tivessem dito que ia correr uma meia maratona eu chamaria louca a essa pessoa. Imaginem se me dissessem que em 2014 iria correr uma prova 100 Km… Actualmente corro Ultra Trails, participo em desafios de endurance na natureza e é sempre uma enorme satisfação que cruzo as mais fantásticas paisagens. Tento superar os diversos desafios a que me proponho. A vida é demasiado curta e bonita para ser desperdiçada sentado num sofá.

No Comments

Post a Comment

%d bloggers like this: