II Trilho Saloio

Sexta-feira foi dia de ir até Covas de Ferro participar no II Trilho Saloio, a primeira prova do Troféu Sintra a Correr.

Dia chuvoso, o que indiciava que uma parte do percurso poderia estar enlameado, o que se veio a confirmar.

Esta prova tinha o aliciante adicional de ter mais colegas do trabalho a participar, estando assim aberta uma mini competição entre nós. Dos quatro que participámos nesta mini corrida só nossa, terminei em segundo, já que o Cabaça (que não treinava há 3 meses) se revelou em grande forma.

A prova, integrada no Troféu Sintra a Correr, foi organizada com a competência e simpatia reconhecida à equipa dos Montes Saloios. Percurso de 6300 metros, sobretudo em estradões e num ou outro trilho mais estreito, onde a principal dificuldade acabou por ser a lama com que fomos brindados em alguns troços.

A minha prova foi mais ou menos dentro do esperado, a um ritmo médio de 5:44/Km e a controlar a frequência cardíaca que ainda não estabilizou nos níveis habituais de treino e corrida, mas que com o treino começa a dar sinais de voltar à melhor forma.

Há que continuar a treinar. A próxima prova do Troféu de Oeiras é no próximo Domingo, e aí veremos como está a progredir a minha forma.

Continuação de boas aventuras!!!

Grande Prémio de Porto Salvo

Domingo foi, como tinha referido no artigo anterior, o inicio do Troféu das Localidades e, o meu regresso às corridas de estrada.

Já não me lembrava bem das sensações de correr uma prova de estrada.

O burburinho dos milhares de participantes.

A sensação antes da partida de que vou ser atropelado por toda a multidão que se encontra atrás de mim.

As picardias entre os atletas ao longo da prova.

A superação dos objectivos “invisíveis” que vou definindo já no decorrer da prova.

 

Após uma série de meses de treinos muito limitados, á altura de tentar retomar a forma rumo aos 100Km. É uma espécie de “dos 100Kg aos 100Km” parte II. Ainda estou na fase inicial de perder o peso que acumulei ao longo dos últimos meses, mais ou menos 10Kg só para ficar mais confortável.

O ritmo também é agora bem mais lento do que já foi, mas não há milagres e, devagar, irei de novo chegar à forma desejada.

Esta corrida indicava que teria cerca de 8Km e o meu objectivo era realizá-la na minha zona 3 dos batimentos cardíacos. Objectivo não atingido já que, segundo o meu registo, corri cerca de 70% da prova um pouco acima da zona 3.

Batimentos cardíacos à parte, todo este controlo resultou numa média de 5:30/Km o que deu pouco menos de 43 minutos para cumprir 7,7Km.

Mesmo assim mais para o rechonchudo, deu para ficar na posição 96 do meu escalão e em 456 da geral, não foi bom, mas também não foi péssimo, foi assim só para o deslavado.

Venham mais treinos e menos quilos, rumo aos 100Km.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Troféus de Sintra, Oeiras e Cascais

O processo de treino para as corridas de montanha e ultra endurance está longe de passar apenas por treinos com muitos quilómetros nas pernas. O treino em distâncias curtas, com intervalos e/ou séries de velocidade, é muito importante, o reforço muscular é igualmente muito importante, entre alguns aspectos de treino que podem ajudar a melhor o desempenho numa corrida com muitos quilómetros.

Uma das novidades na minha preparação da época 2018 será a participação no “Troféu das Localidades”. As Camaras Municipais de Sintra, Oeiras e Cascais, proporcionam um conjunto de provas gratuitas, que compõem o Troféu Sintra a Correr – organizado pela CM de Sintra, o Troféu de Oeiras Corrida das Localidades – organizado pela CM de Oeiras, e o Troféu de Atletismo de Cascais – organizado pela CM de Cascais.

A inscrição e a participação são totalmente gratuitas, bastando para tal efectuar a inscrição num dos troféus, sendo o dorsal atribuído válido para todos os três troféus. Podem fazê-lo num dos links em cima.

O Troféu de Oeiras já tem o calendário definido e contempla 12 provas que poderão variar entre os 7000m e os 8500m, para serem feitas rapidinho portanto. De salientar que as provas do Troféu de Oeiras têm provas dos diversos escalões, de Benjamim a Veterano, pelo que são também uma actividade que pode ser partilhada em família. A primeira prova é já dia 26 de Novembro.

Os Troféus de Sintra e de Cascais ainda não têm o calendário definido, mas costumam ter provas de estrada e cross de distâncias que variam entre os 1500 e os 10000 metros.

Vale bem a pena experimentar estes troféus onde o associativismo local está presente no seu melhor nível.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Kiss the mountain & The ridge

Kiss the Mountain e The Ridge são duas revistas digitais espanholas sobre montanha e a cultura de montanha, que costumo acompanhar.

Nesta edição em particular, para além de uma entrevista com o François D’Haene, vencedor do UTMB deste ano e um dos melhores atletas de trail running da actualidade, há ainda fotos brutais do Tor de Geants sendo um dos protagonistas o nosso Carlos Sá, e uma foto reportagem sobre a Ultra Maratona PT281+ que decorre na nossa Beira Baixa.

Para ver em full screen e ficar deliciado…

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Do not go gentle

Se podes conservar o teu bom senso e a calma
No mundo a delirar para quem o louco és tu…
Se podes crer em ti com toda a força de alma
Quando ninguém te crê… Se vais faminto e nu,
Trilhando sem revolta um rumo solitário…
Se à torva intolerância, à negra incompreensão,
Tu podes responder subindo o teu calvário
Com lágrimas de amor e bênçãos de perdão…

Se podes dizer bem de quem te calunia…
Se dás ternura em troca aos que te dão rancor
(Mas sem a afectação de um santo que oficia
Nem pretensões de sábio a dar lições de amor)…
Se podes esperar sem fatigar a esperança…
Sonhar, mas conservar-te acima do teu sonho…
Fazer do pensamento um arco de aliança
Entre o clarão do inferno e a luz do céu risonho…

Se podes encarar com indiferença igual
O triunfo e a derrota, eternos impostores…
Se podes ver o bem oculto em todo o mal
E resignar sorrindo o amor dos teus amores…
Se podes resistir à raiva e à vergonha
De ver envenenar as frases que disseste
E que um velhaco emprega eivadas de peçonha
Com falsas intenções que tu jamais lhes deste…

Se podes ver por terra as obras que fizeste,
Vaiadas por malsins, desorientando o povo,
E sem dizeres palavra, e sem um termo agreste,
Voltares ao princípio, a construir de novo…
Se puderes obrigar o coração e os músculos
A renovar um esforço há muito vacilante,
Quando no teu corpo, já afogado em crepúsculos,
Só exista a vontade a comandar avante…

Se, vivendo entre o povo, és virtuoso e nobre…
Se, vivendo entre os reis, conservas a humildade…
Se inimigo ou amigo, o poderoso e o pobre
São iguais para ti à luz da eternidade…
Se quem conta contigo encontra mais que a conta…
Se podes empregar os sessenta segundos
Do minuto que passa em obra de tal monta
Que o minuto se espraia em séculos fecundos…

Então, ó ser sublime, o mundo inteiro é teu!
Já dominaste os reis, os tempos, os espaços!…
Mas, ainda para além, um novo sol rompeu,
Abrindo o infinito ao rumo dos teus passos.
Pairando numa esfera acima deste plano,
Sem receares jamais que os erros te retomem,
Quando já nada houver em ti que seja humano,
Alegra-te, meu filho, então serás um homem!…

(Tradução do poema If de Rudyard Kipling, recitado no espectacular vídeo em baixo)

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

2017 já era, venha daí 2018

Desde que comecei a correr em 2011, que não tinha um ano desportivo tão mau.

2017 tem sido um ano inolvidável ao nível pessoal mas, ao nível desportivo e de condição física, o nível não tem sido mais do que miserável.

Consegui correr duas provas de estrada, a saber, os 10 Km da Corrida do Benfica e os 8 Km da Corrida BeActive, corridas em trilhos zero e corridas de ultra distância também zero.

O mais perto que me consegui encontrar do número 100 foi na balança, o que é sempre indesejável.

Foram vários os recomeços ao longo do ano, mas por um motivo ou por outro nunca consegui manter a consistência de treino nem atingir uma forma minimamente aceitável.

O que fazer então até final do ano? Aproveitar para treinar o possível e ganhar balanço para entrar mais forte em 2018, ficar mais longe do 100 da balança e também fugir da forma redonda.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Revogar o irrevogável

O meu amigo e atleta João Colaço tinha decidido abandonar as ultras depois de participar na Euforia, corrida de montanha em Andorra, com 233Km e mais de 20000 metros de desnível positivo.

Mas como ele próprio diz “Por vezes, as maiores certezas desaparecem num ápice. Para o mal ou para o bem? No mínimo, para a frente! Siga!”.

E a propósito disto escreveu o interessante texto que aqui partilho ou que podem ler directamente clicando aqui.

Que continues a inspirar muitos atletas com os teus feito João.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Regresso aos 21Km

Há mais de seis meses que não corria 21Km.

Finalmente com o tornozelo a não dar chatices e depois de umas semanas a suar as queijadas de figo acumuladas nas férias, este fim-de-semana lá me juntei (a medo) a um grupo de Salamandrecos que ia correr 20 a 25 Km pela Serra de Sintra.

O anúncio que o Adro colocou sobre o treino era claro, treino duro, duração de 3 horas, 20 a 25Km. Isto queria dizer que para além da distância, o desnível iria ser “bruto” e as perninhas iam doer a subir e a descer.

Nas últimas semanas os treinos foram quase sempre à volta de 10Km, mas na 4ª por Belas fui até aos 16 Km e senti-me bem. Os primeiros quilómetros custam sempre um pouco, mas a partir dos 10 Km a máquina parece que fica mais oleada.

E no Sábado também foi assim. Apesar de ir preparado para fazer um desvio rumo ao fim do treino a qualquer momento, consegui ir acompanhando as lebres ao longo de todo o treino, ainda com algum esforço é claro, mas ainda há alguns quilos extra para mandar embora.

As sensações foram boas e isso é o mais importante. Agora é ir treinando e a forma vai regressar aos poucos.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Vamos apoiar a Selecção Nacional

Amanhã, dia 10 de Junho, é dia de Portugal e dia da Seleção Nacional de Trail que compete Campeonato do Mundo de Trail 2017 na Tuscânia em Itália.

Depois da brilhante participação no Campeonato do Mundo de 2016 que decorreu no Gerês, é com alguma expectativa (apesar da ausência do Tiago Aires), que irei acompanhar a nossa equipa neste campeonato.

A titulo individual aposto no brilharete do Hélio e da Inês, que se estiverem em forma, irão ser capazes de nos surpreender a todos pela positiva.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Só falta a água!

O troço do passeio marítimo Cruz Quebrada – Baía dos Golfinhos, que abriu no final do ano passado, foi uma obra polémica mas está de facto uma zona muito agradável para correr, andar de bicicleta ou simplesmente passear.

Este passeio marítimo que começa no túnel da Cruz Quebrada e vai até ao Forte de São Bruno/Baía dos Golfinhos (ou vice-versa) tem cerca de 2 quilómetros de extensão e uma largura ao longo de todo o percurso de uns bons 7 a 8 metros, permitindo a circulação de todas os transeuntes nas mais diversas actividades sem qualquer tipo de atropelo.

Faltam talvez um ou dois pontos de água, que tornariam este troço de verdadeira qualidade 5 estrelas.

Hoje o Kalorias Running foi até à Baía dos Golfinhos num ritmo tranquilo, como é apanágio do treino às segunda feiras, e tive de fazer algumas paragens para cumprimentar uma série de amigos dos treinos de estrada que já não via há algum tempo, o João “Canhão” Afonso, que estava a afinar as pernas para a maratona de Boston e o Mário que andava a passear o ser rebento.

Estes finais de tarde primaverais são excelentes para correr, e a luz do pôr do sol é fantástica na nossa Lisboa.

Na próxima 2ªfeira há novo treino por aqui. Apareçam 🙂

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Nota: Já existe, (não sei se já existia antes, mas a existir nunca tinha dado por ele), um bebedouro junto à Baía dos Golfinhos 🙂