Subir a montanha

Faltam 9 dias para iniciar a minha ultima grande aventura de 2015, os 112Km do UTAX.

Já aqui me “queixei” que até ao final do ano é correr em modo de serviços mínimos, mas espero ainda arranjar a força nas pernas necessária para completar o UTAX.

Olhando para o perfil altimétrico dos desafios de 2015, aparentemente o UTAX seria aquele que menos preocupações deveria causar, mas no entanto passa-se precisamente o contrário.

O objectivo que defini há cerca de 11 meses atrás foi o de completar três provas acima de 100 Km em 2015. Escolhi para concretizar esse objectivo o MIUT (a amarelo na imagem), o Andorra Ultra Trail Mitic (a castanho) e o Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour (a violeta).

E onde entra o Ultra Trail Aldeias de Xisto (a verde)?

altimetria 2015
MIUT, AUT Mitic, UTCAM, UTAX

Pois é, não deveria entrar, mas com a entorse e respectivo abandono aos 31Km do AUT Mitic, o UTAX surgiu como a alternativa de não falhar o objectivo de 2015.

Comparando o perfil das quatro provas, o UTAX até parece fácil, mas não o vai ser de todo. O piso vai ser muito duro, possivelmente muito escorregadio e molhado, o que vai tornar a progressão difícil e obviamente muitas cautelas na corrida.

Por outro lado a recuperação do UTCAM ainda não está completamente concretizada. O plano de recuperação e de treinos não foi o melhor, no curto espaço de tempo entre as duas provas, e a energia nas pernas está longe dos 100%. Sinto-me agora como se estivesse a começar a época, com as dificuldades inerentes a quem recomeça a correr, e a quem ir correr 112 km de seguida parece uma autêntica miragem.

Veremos se a experiência acumulada nas últimas provas vai ser útil na gestão desta corrida e assim consigo chegar ao fim com sucesso.

Até lá são 8 dias de treino de força e recuperação no Kalorias, com algumas corridas à mistura e muita vontade que chegue a hora da partida. O UTAX pode parecer uma brincadeira ao pé das outras, mas não o será de certeza absoluta.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Grande Trail Serra d’Arga 2015

Domingo estive no Grande Trail Serra d’Arga.

Segundo o meu planeamento para 2015 (definido em Novembro de 2014), esta deveria ser a última ultra da época, já em ritmo de passeio e para desfrutar o ambiente. Era esse o meu plano mas o destino quis trocar-me as voltas.

Uma entorse e o consequente abandono na Mitic Andorra Ultra Trail, deitou abaixo o meu objectivo de completar três ultras de três dígitos no ano de 2015. MIUT, MITIC e UTCAM eram os objectivos, e o azar no MITIC “ia” deitando tudo a perder. E agora digo “ia”, porque mais tarde decidi tentar completar o objectivo a que me propus para 2015, tentando finalizar o UTAX.

Os planos são feitos para se mudar, mas quando se tenta planear e preparar uma época de corridas penso que o útil será alterar o menos possível, para que o desempenho possa corresponder ao treino e objectivos definidos inicialmente e, o também esforço logístico tenha o menor impacto na vida pessoal.

Dito isto, Domingo estive no Grande Trail Serra d’Arga.

O Nuno bom queria fazer uma prova em ritmo treino, descansado e sem grande stresses, como último treino longo entre o UTCAM e o UTAX. O Nuno mau, por seu lado, queria fazer uma corrida mais rápida, onde no limite não fizesse pior tempo que na prova do ano passado. Foi assim que comecei a corrida, com esta dicotomia de pensamento.

Soou a partida com a última badalada das 8h00 no sino da Igreja de Dem, e lá fui eu com o restante pelotão lançados à Serra d’Arga.

Confesso que já não tinha grandes memórias do percurso, tinha uma ideia das subidas e descidas, mas já me lembrava de onde exactamente estava o quê. Mas, com o início de cada troço, a prova do ano passado ia-se reavivando na memória e ia-me relembrando de cada momento que vivi em 2014. Subi assim o primeiro troço. O Sr. Ribeiro andava por lá a puxar por atletas e gozava comigo por constatar que ia fazer a prova grande, em vez de recuperar depois do UTCAM. Fui pensando nisso, enquanto o Nuno mau fazia com que puxasse mais um pouco. O ritmo estava razoável mas ia a perder algum tempo face a 2014. A subir não havia problema, mas a descer, num percurso que apela ao ritmo forte e à velocidade, ia a perder algum tempo. Com os problemas que ocorreram no tornozelo esta época, começa agora a reaparecer a confiança para “colocar o pé” e correr sem medo, mas esta ainda não está restabelecida a 100%. O Nuno bom queria acalmar e relaxar um pouco, mas o Nuno mau não o permitia, e foi assim a controlar o relógio que fiz as subidas e descidas até à subida do quilómetro vertical, que subi já com algum cansaço mas sem dificuldade.

12004026_1623291647933921_8066808323507925314_n

Chegado lá acima, Km 28, aproveitei para refrescar o chapéu e a cabeça que o calor que se fazia sentir era muito. Ia a perder cerca de 20 minutos para 2014 e recomecei a correr rumo a São Gonçalo de Montaria. Seriam 5 Km planos e a descer até lá até que os quadricípites começaram a reclamar do esforço que ia a fazer até ali. Momentos de “porrada” entre o Nuno bom e o Nuno mau. Um queria abrandar e seguir confortável, outro queria continuar no mesmo ritmo… Paragem para reflectir, ouvir o corpo e não dei razão nem a um nem a outro, decidi seguir calmamente até São Gonçalo de Montaria e ficar por ali aos 33 Km, afinal o objectivo do ano ainda está por cumprir e só faltam 3 semanas para o UTAX.

Nunca fico satisfeito quando tenho de encurtar ou abandonar um objectivo, mas a recuperação do UTCAM não foi tão rápida quanto o previa e há que ter a consciência de que não somos imortais. Ficou feito o Grande Trail da Serra d’Arga, desta vez em prova curta de 33Km. A prova em si continua bem organizada e a corresponder ao anunciado, apanágio das provas do Carlos Sá. Foi uma grande festa do Trail e quem não conhece esta prova não perca a edição de 2016.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

II Summer Trail Camp

O ano passado, fruto da necessidade de ganhar forma depressa e bem, optei por passar uma semana das minhas férias na Serra da Estrela, num misto de férias e treino. Foi uma semana a subir e descer a Serra da Estrela, com cerca de 120 Km em 4 treinos. Correu muito bem, uma semana na natureza, a treinar em trilhos fantásticos e na companhia do Bruno, que partilhou comigo o I Summer Trail Camp.

Este ano o cenário quase que se repete, e na segunda semana de Agosto lá estaremos nós para treinar e ganhar forma, e entrar em Setembro cheios de força para concluir com sucesso os diversos desafios que vamos abraçar.

smt2014 2

A II edição do Summer Trail Camp na Serra da Estrela está praticamente definida.
A base será de novo no Skiparque em Manteigas, que dispõe de uma Praia Fluvial, restaurantes e outros pontos de interesse.
Os treinos previstos serão mais ou menos assim:
Dia 8 26K; Track: http://www.openrunner.com/index.php?id=5026479
Dia 9 13K; Track: http://www.openrunner.com/index.php?id=5027146
Dia 10 Descanso;
Dia 11 24K; Track: http://www.openrunner.com/index.php?id=5026900
Dia 12 10K; Track: Rolador calmo nos arredores da base
Dia 13 Descanso;
Dia 14 53K; Track: http://www.openrunner.com/index.php?id=5026806
Dia 15 40K; Track: http://www.openrunner.com/index.php?id=5026821
Dia 16 Regresso.
O desnível acumulado de todo o evento será coisa para +- 20000m.
Poderá haver uma Bónus Track, em substituição dos treinos roladores, caso seja da vontade de todos 🙂 Track: http://www.openrunner.com/index.php?id=5027271

Quem estiver a pensar treinar nesta altura e se quiser juntar ao grupo, é livre de o fazer. Isto é uma “organização desorganizada”, de amigos para amigos, e os únicos requisitos obrigatórios são a camaradagem, boa disposição e vontade para correr.

Querem-se juntar? Mandem mensagem 🙂

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

A tradição ainda é o que era…

O meu desejo desportivo para 2015 era a participação no Ultra Trail Mont Blanc, considerado unanimemente o maior evento do mundo do Trail, mas não é fácil lá chegar. Além de ser necessário completar uma série de provas que dão acesso à possibilidade de inscrição nesta prova, o volume de pré-inscrições é tão elevado que ainda é necessária uma boa dose de sorte para ser sorteado entre todos os atletas pré-inscritos. No que a mim me diz respeito, as provas de qualificação foram ultrapassadas tranquilamente, mas como a tradição ainda é o que era e no que à sorte diz respeito, a minha dose desta é sempre muito reduzida ou inexistente. Hoje saíram os resultados do sorteio do UTMB e para variar não fui sorteado. Pelas regras do sorteio para o ano terei o dobro das hipóteses de ser sorteado, mas daqui até lá há muitos outros quilómetros para correr.

Muitos amigos e conhecidos foram sorteados para o UTMB e para as diversas provam que completam o evento do UTMB. No total serão, para já, 137 portugueses a partir de Chamonix no UTMB, CCC, OCC e TDS, distribuídos por:

– UTMB: 82 foram a sorteio, ficaram 59%, 48 atletas
– CCC: 42 foram a sorteio, ficaram 88%, 37 atletas.
– OCC: 32 foram a sorteio, ficaram 59%, 19 atletas.
– TDS: 33 Portugueses, sem sorteio.

A estes ainda faltam somar mais alguns que irão participar no PTL.

Em Agosto ficarei a acompanhar e a torcer por todos os amigos que vão andar pelo Monte Branco a correr e a desfrutarem destas bonitas paisagens.

Boa sorte para todos 😉

Balanço Desportivo de 2014

No plano desportivo não posso dizer que ano de 2014 tenha sido mau, pelo contrário foi um ano cheio de novas experiências e de muita aprendizagem.

2014 foi o terceiro ano na prática desportiva da corrida, e o meu ano zero nas corridas de trilhos e montanha. Foi por isso um ano de muitas experiências novas e de muita aprendizagem, que espero poder consolidar pelo ano de 2015, e claro, continuar a aprender e sempre na senda de novas aventuras.

No Gerês Ultra Trail com o Vargas, o Hugo e o Camané

Relendo agora a minha publicação com o balanço de 2013, tinha lá estabelecido 3 objectivos para 2014:

  1. Terminar uma Maratona abaixo das 3h30 de prova, objectivo que tinha sido pensado para a Maratona de Sevilha já em Fevereiro mas que ainda não vai ser possível de realizar. Para cumprir este objectivo terei de esperar pelo segundo semestre do ano;
  2. Repetir a Ultra Maratona Atlântica Melides Tróia e tentar terminar abaixo das 5h30 de prova;
  3. Realizar uma prova de 100 Km de distância, estando esta já definida e agendada; será o Ultra Trail de São Mamede, no final Maio.

Destes três objectivos apenas concretizei um, o de realizar e terminar uma prova de 100 Km de distância, o que de facto aconteceu no Ultra Trail de São Mamede conforme previsto. A minha segunda participação na Ultra Maratona Atlântica Melides Tróia teve de ser adiada, porque em 2014 simplesmente não se enquadrava com o plano de treinos que acabei por delinear para o ano, visão que ainda não tinha à data que tinha definido este objectivo. Por fim, o objectivo de terminar uma Maratona de estrada abaixo das 3h30 de prova, também não foi cumprido. Fiquei lá perto 3h33, e numa prova onde podia ter feito abaixo das 3h30, mas quis a prudência que me poupasse para os 80Km do Arrábida Ultra Trail que seriam duas semanas depois, e esse sim, à data, era o meu objectivo a concretizar.

Quase a terminar o Ultra Tral de São Mamede, já com 102 Km nas pernas

Em Janeiro de 2014 tinha uma perspectiva diferente daquele que teria em Abril/Maio de 2014, e os objectivos que tinha definido em Janeiro deixaram de facto de fazer muito sentido por essa altura, sendo a principal culpada dessa mudança a descoberta da corrida em trilhos e montanha, que de facto me apaixonaram e me fizeram redescobrir todo um novo mundo dentro do mundo das corridas.

Summer Trail Camp na Serra da Estrela com o Bruno Santos

Em resumo, 2014 foi o ano onde corri 3029 Km (mais 10% que em 2014) com 71336 metros de desnível positivo (mais 177% que em 2014), tendo gasto para tal cerca de 350 horas do meu tempo. Participei na minha primeira prova de 100 Km, o Ultra Trail de São Mamede, e baixei o meu recorde pessoal na Maratona de Estrada para 3h33 na Maratona do Porto. Pelo meio participei noutras provas marcantes, como o Gerês Trail Adventure em equipa com o meu amigo João Vargas, O Grande Trail Serra d’Arga, a Ultra Maratona Solidária Toca a Todos, tendo terminado o ano com a participação no Trail do Cabo Espichel, prova onde me estreei no Trail Running no final de 2013. Em 2014 tive oportunidade de correr em estrada, em trilhos diversos e espectaculares, em arribas, em montanha, em trilhos fechados cheios de silvas, na areia quente da praia, no frio da neve fofa, na lama, na água, com muito calor, com muito frio…

Chegada à Meta na Maratona do Porto 2014

2015 já está em curso e os objectivos definidos estão muito condicionados pela sorte…

O grande objectivo do ano de 2015 será a participação no Ultra Trail Mont Blanc. Feitas as provas de qualificação necessárias, resta agora esperar pela sorte e cruzar os dedos para ser um dos sorteados entre todos os inscritos, e assim poder participar nesta mítica prova lá mais para o final de Agosto. Dia 14 de Janeiro será publicado o resultado do sorteio, pelo que vamos aguardar serenamente…

Até ao resultado deste sorteio a única prova que tenho já como garantida, é a participação no Madeira Island Ultra Trail. Será, talvez, o primeiro objectivo do ano: terminar bem e sem problemas.

Nos fantáticos trilhos do Grande Trail Serra d’Arga

Votos de um excelente 2015 para todos os atletas e amigos!!!