Dos 100Kg aos 100Km – Semanas 3 a 7

As primeiras dificuldades em cumprir o plano de treinos surgiram já na sua terceira semana.

Sabem como é, vésperas de Natal e as tarefas correspondentes ao período Natalício, que nunca são tão rápidas de realizar como as idealizamos, e foi uma semana onde apenas consegui correr 21 quilómetros dos 70 planeados. E como um mal nunca vem só o pior ainda estava para vir…

Entrámos na semana 4 e até estava a correr bem, quando comi algo que me provocou um desarranjo intestinal que começou no Trail da Salamandra 232 e que durou até ao final da semana seguinte. Resumindo a semana 4 acabou com 25 quilómetros dos 63 planeados e, a semana 5 do plano de treinos, foi concluída com a brilhante marca de 0 quilómetros em 78 planeados. O lado positivo foi o de ter uma semana a chá e torradas, que permitiu para não aumentar o peso.

Em termos de forma estas três semanas representaram uma caída a pique dos 952 pontos que entretanto atingira em meados de Dezembro, para os 497 pontos (ou seja o regresso à estaca zero) a 6 de Janeiro deste ano.

Entretanto entrámos na semana 6 do plano e consegui finalmente recomeçar a treinar. Como consequência das semanas anteriores tive de fazer alguns reajustes ao plano inicial, uma vez que estas semanas seriam de carga, isto é de muitos quilómetros, e não deveria entrar logo a matar.

Assim na semana 6 cumpri 63 Km dos 78 inicialmente planeados. Já deu para fazer um treino longo de 30Km e no dia seguinte participar no Grande Prémio de Atletismo de Valejas. Nem um nem outro correram grande coisa. O treino longo, fruto de tantas paragens, correu bem até aos 25/26Km mas depois fui contra o “muro” com tanta violência que os 4Km finais foram mesmo penosos. Obviamente no dia seguinte as pernas não estavam fresquinhas para acelerar o máximo que conseguisse no Grande Prémio de Valejas, prova com cerca de 8Km. Ainda assim não fui o último na equipa do pessoal do meu trabalho, o que já foi um ponto positivo.

Entrámos na semana 7 do plano onde estavam inicialmente planeados 85Km de treino. Obviamente não podia, ou pelo menos não devia, aumentar mais de 30% a quilometragem de uma semana para a outra. Terminei assim a semana 7 do plano com cerca de 70Km, incluindo um treino rolante mais longo nos trilhos de Monsanto com o pessoal dos Esquilos.

Regressando aos indicadores de performance, terminei a semana 7 com 845 pontos de forma, ainda longe dos 952 que já tinha atingido em Dezembro e do objectivo final de mais de 2000 pontos.

O lastro continua a diminuir e já baixei os 92Kg, sendo esta a tendência a seguir.

Resta continuar a treinar para atingir os objectivos.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Dos 100Kg aos 100Km – Semana 2

Continua em curso o meu plano dos 100Kg aos 100Km.

A semana passada foi a segunda semana de treinos e, pela segunda semana consecutiva, consegui atingir os objectivos.

Segunda feira guiei como habitualmente o Kalorias Running, num treino rolante de 12Km.

Depois seguiu-se um treino de 10Km com rampas pelo meio, onde quase já consigo fazer as rampas sem parar, (o próximo objectivo é fazer as rampas sem abrandar), e na quinta um treino de 11Km à chuva, também com umas boas subidas pelo meio.

A semana de treinos terminou com 24Km no Sábado e 7Km no Domingo no Grande Prémio da Cruz Quebrada.

No total foram pouco mais de 64Km. O meu peso continua na caminhada descendente terminando a semana com 93,2Kg.

Ao nível do fitness a semana acabou com 950 pontos, menos de metade do objectivo a atingir, mas isto ainda agora está a (re)começar.

Continuação de boas aventuras!!!

Grande Prémio da Cruz Quebrada

Domingo foi dia de correr no Troféu de Oeiras, no Grande Prémio de Atletismo da Cruz Quebrada, uma prova de estrada com 7350 metros.

A distância desta prova poderia levar a pensar que seria uma pera doce concluí-la, mas como todas as provas, esta também teve a sua história.

Primeiro, uma prova com pouco mais de 7Km quer-se corrida rápida, mas sendo esta a segunda semana do meu plano de treinos, e tendo feito um treino de 24Km no Sábado, as pernas estavam tudo menos soltinhas para correr rápido.

Por outro lado o mini troféu com o pessoal do trabalho não permitia que facilitasse, e teria de gerir esta mini competição ao longo da corrida. Fomos os mesmo quatro que corremos os Trilhos Saloios.

A partida saiu atrasada cerca de 30 minutos e o aquecimento que tinha feito já tinha perdido o seu efeito. A partida era à sombra, estava fresquinho e estava de novo frio. O Cabaça acelerou e só o vimos de novo na meta. O Moisés, o Fonseca e eu, seguimos à vista uns dos outros no primeiro quilómetro e picos, até que eles aceleraram um pouco e eu mantive-me no meu ritmo sereno, perdendo-os de vista durante uns metros. Na subida que vai do campo de ténis do Jamor até ao Kalorias de Linda-a-Velha, apanhei o Moisés e recomecei a ver o Fonseca.

Mantive-me sereno quando começou a descida. Pensei que não devia abusar e manter o plano de rolar com calma estas primeiras quatro semanas de treino e até perder mais uns quilitos. Ia nestes pensamentos e o Moisés passa por mim de novo. Segui a cerca de 20 metros dele e quando a descida acentuou mais decidi acelerar um pouco. Às tantas dou por mim a ir a correr a 3:15 atrás do Moisés e é certo que fiquei a menos de meia dúzia de metros dele. Felizmente decidi parar o exagero e fui calmamente até à meta, tendo terminado este mini troféu na última posição, nas próximas provas vou ter de recuperar posições.

Continuação de boas aventuras!!!

Dos 100Kg aos 100Km – Semana 1

A passada semana foi a primeira do meu plano dos 100Kg aos 100Km.

Um 2017 com muita “engorda” e pouca corrida que culminou no aumento da balança para números a que já não estou habituado, e um 2018 que se quer novamente de boa forma, delinearam este plano e esta sugestiva designação.

Dos 100Kg aos 100Km é um plano de 24 semanas onde o objectivo é perder o peso entretanto ganho e voltar a uma corrida de 100Km, lá para Maio portanto.

Dezembro e Janeiro são dois meses tradicionalmente difíceis para mim para perder peso e manter a forma, pelo que vamos ver como me vou safar.

Esta semana corri 60 quilómetros dos 62 inicialmente previstos.

Cumpri o treino longo de 20Kms, fiz um treino em pirâmide e um treino de rampas, o que foi talvez um pouco demais para a primeira semana, mas senti-me bem. Quase 1000 metros de desnível positivo não é nada, mas para uma semana que devia ter sido completamente plana, deu para compensar os 2Km que faltaram ao objectivo de distância.

Com a má forma existente as últimas semanas exigiram um ajuste constante às zonas de frequência cardíaca de treino, que tenho controlado e ajustado sempre que necessário.

O meu nível de forma actual é de 732 pontos. O meu valor de referência é de finais de 2015, altura onde o meu nível de forma ultrapassava os 2000 pontos. Tenho portanto um longo caminho a percorrer.

Já o meu peso continua na sua caminhada descendente e perdi cerca de 1Kg nesta semana, pesando agora 94,5Kg.

Há que continuar a treinar e a perseguir o objectivo.

Continuação de boas aventuras!!!

Parque Urbano do Neudel

Desde que um enorme placard anunciava, à beira do IC19 e com imagens muito apelativas, a concretização do Parque Urbano do Neudel na Damaia, sempre estive curioso para o visitar. No Domingo foi o dia.

Fiquei desiludido pela dimensão do espaço. Tinha a ideia que seria bastante maior do que o é na realidade mas, no meio de uma zona altamente urbana, é melhor que nada.

O Parque ainda cheira a novo. Vegetação e árvores rasteiras ainda em fase de crescimento, espaço para as crianças ainda sem sinais de vandalismo, e os caminhos pedonais em muito bom estado.

O dia estava ventoso e com alguns aguaceiros pontuais, e por ali apenas circulavam meia dúzia de pessoas a passear o cão, um senhor que fazia uma caminhada vigorosa e eu que corria.

O plano de treinos indicava que deveria fazer 10Km planos em ritmo calmo, mas chegado ao Parque do Neudel logo verifiquei que tal seria impossível.

O Parque do Neudel é numa encosta e é um verdadeiro sobe e desce, com quatro/cinco caminhos que podemos escolher para subir ou descer, o que me obrigou a trocar o treino plano por um treino de rampas.

Dentro do possível fiz 13 rampas, todas com bem mais de 10% de inclinação e, se no inicio do treino a frequência cardíaca estava no máximo, para a segunda metade já estava em valores muito mais aceitáveis. Infelizmente na segunda metade do treino já começavam a faltar as pernas para tanto esforço.

Um treino a puxar para o duro, mas indispensável para recuperar a boa forma. Há que continuar a treinar.

Quanto ao Parque do Neudel, visitem num dia de sol que será sempre um bom passeio.

Continuação de boas aventuras!!!

II Trilho Saloio

Sexta-feira foi dia de ir até Covas de Ferro participar no II Trilho Saloio, a primeira prova do Troféu Sintra a Correr.

Dia chuvoso, o que indiciava que uma parte do percurso poderia estar enlameado, o que se veio a confirmar.

Esta prova tinha o aliciante adicional de ter mais colegas do trabalho a participar, estando assim aberta uma mini competição entre nós. Dos quatro que participámos nesta mini corrida só nossa, terminei em segundo, já que o Cabaça (que não treinava há 3 meses) se revelou em grande forma.

A prova, integrada no Troféu Sintra a Correr, foi organizada com a competência e simpatia reconhecida à equipa dos Montes Saloios. Percurso de 6300 metros, sobretudo em estradões e num ou outro trilho mais estreito, onde a principal dificuldade acabou por ser a lama com que fomos brindados em alguns troços.

A minha prova foi mais ou menos dentro do esperado, a um ritmo médio de 5:44/Km e a controlar a frequência cardíaca que ainda não estabilizou nos níveis habituais de treino e corrida, mas que com o treino começa a dar sinais de voltar à melhor forma.

Há que continuar a treinar. A próxima prova do Troféu de Oeiras é no próximo Domingo, e aí veremos como está a progredir a minha forma.

Continuação de boas aventuras!!!

Grande Prémio de Porto Salvo

Domingo foi, como tinha referido no artigo anterior, o inicio do Troféu das Localidades e, o meu regresso às corridas de estrada.

Já não me lembrava bem das sensações de correr uma prova de estrada.

O burburinho dos milhares de participantes.

A sensação antes da partida de que vou ser atropelado por toda a multidão que se encontra atrás de mim.

As picardias entre os atletas ao longo da prova.

A superação dos objectivos “invisíveis” que vou definindo já no decorrer da prova.

 

Após uma série de meses de treinos muito limitados, á altura de tentar retomar a forma rumo aos 100Km. É uma espécie de “dos 100Kg aos 100Km” parte II. Ainda estou na fase inicial de perder o peso que acumulei ao longo dos últimos meses, mais ou menos 10Kg só para ficar mais confortável.

O ritmo também é agora bem mais lento do que já foi, mas não há milagres e, devagar, irei de novo chegar à forma desejada.

Esta corrida indicava que teria cerca de 8Km e o meu objectivo era realizá-la na minha zona 3 dos batimentos cardíacos. Objectivo não atingido já que, segundo o meu registo, corri cerca de 70% da prova um pouco acima da zona 3.

Batimentos cardíacos à parte, todo este controlo resultou numa média de 5:30/Km o que deu pouco menos de 43 minutos para cumprir 7,7Km.

Mesmo assim mais para o rechonchudo, deu para ficar na posição 96 do meu escalão e em 456 da geral, não foi bom, mas também não foi péssimo, foi assim só para o deslavado.

Venham mais treinos e menos quilos, rumo aos 100Km.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Revogar o irrevogável

O meu amigo e atleta João Colaço tinha decidido abandonar as ultras depois de participar na Euforia, corrida de montanha em Andorra, com 233Km e mais de 20000 metros de desnível positivo.

Mas como ele próprio diz “Por vezes, as maiores certezas desaparecem num ápice. Para o mal ou para o bem? No mínimo, para a frente! Siga!”.

E a propósito disto escreveu o interessante texto que aqui partilho ou que podem ler directamente clicando aqui.

Que continues a inspirar muitos atletas com os teus feito João.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!