Não se pode correr, pedala-se!

Já há umas semanas que não escrevia no blogue.

Andava eu a cumprir o meu plano de treinos dos “100 Kg aos 100 Km”, quando o “azar” bateu de novo à porta com uma arreliadora lesão: uma fasceíte plantar.

Lá se foram os planos de regressar às ultras para o primeiro semestre de 2018 e, muito possivelmente, para o segundo semestre também.

A minha fasceíte, sim porque esta é só minha, já se manifestava há alguns meses por via de uma moinha ligeira no calcanhar, que sempre pensei que fosse mais um fenómeno estranho como este que me aconteceu há dois anos. Mas não, desta vez a moinha foi aumentando, aumentando, até ao ponto de considerar dor e de ser impeditiva de correr. Lá cumpri o ritual de ir ao médico, fazer exames, e o veredito foi esse, da tal fasceíte plantar. Consequência: 2 a 4 meses sem correr, sem caminhar e sem fazer esforços a pé.

Desde então já vou em 8 semanas sem correr, e os planos para o Ultra Trilhos da Gardunha, Estrela Grande Trail e Canfranc Canfranc foram desmobilizados.

O remédio mais apropriado para curar a fasceíte é a fisioterapia, o repouso do pé e o tempo, e ando a cumprir estes três requisitos o mais que posso.

Entretanto aguardo pacientemente que o tempo ajude a curar a fasceíte e possa recomeçar a correr em breve.

Como nem tudo pode ser mau, o médico sugeriu que passasse a andar de bicicleta, já que assim não tinha de apoiar o pé no chão e não causaria nenhum atraso na recuperação da lesão.

Foi assim que acabei por comprar uma bicicleta e que acabei por fazer o meu primeiro Granfondo há uma semana atrás, no Granfondo de Lisboa. Mas essa já é outra história para contar.

Quem quiser saber algo mais sobre as fasceítes e o procedimento para a sua recuperação pode ler este site (em português) ou este (em inglês) ambos com informação muito útil.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

II Summer Trail Camp – Dia 1

O primeiro dia do II Summer Trail Camp decorreu conforme o previsto. Estava planeado fazer um treino de cerca de 25 quilómetros, pelo que aproveitámos para seguir o track do trail curto do Estrela Grande Trail organizado pelo Armando Teixeira, que seguia em grande parte a Rota do Carvão e cumpria os requisitos que pretendíamos.

Fomos cinco os que efectuámos este treino, que teve início em Manteigas e começou logo com a famosa subida às Penhas Douradas, onde subimos 750 metros em pouco mais de 6 quilómetros. Seguimos por um trilho muito bonito e verdejante até à Represa de Vale do Rossim que circundámos e, onde aproveitámos para reabastecer aos 11 quilómetros de treino. O dia estava quente, o sol brilhava lá no alto, e esta pausa técnica para reabastecer soube bem. Desfrutar, ainda que por poucos minutos, do espelho de água de Vale do Rossim é sempre de uma satisfação imensa. Seguimos em direcção à Nave Mestra por um trilho inóspito, com muito vegetação rasteira e seca, e algumas subidas e descidas pelos barrocos do maciço central da Serra da Estrela, o que deu alguma emoção ao percurso.

11868645_1204662422888619_496129485_n
Represa do Vale do Rossim

A Nave da Mestra encontra-se num local isolado da Serra da Estrela a cerca de 1650 metros de altitude. É apenas acessível pé e é dominado por um colossal bloco granítico. Reza a história, que apaixonado pelo local, um juiz de Manteigas mandou construir na base do grande bloco granítico, em 1910, uma pequena casa de férias. A sua construção foi concretizada pela mão-de-obra vinda de Manteigas em cima de mulas por um caminho que ainda hoje existe, ajudada por macacos hidráulicos utilizados para levantar as gigantes pedras, incluindo aquela que faz de telhado à casa. Esta obra é comprovada pela inscrição que ainda se pode ler na construção principal por cima da porta, “Dr. J.Matos – Barca Hirminius – 1910”.

Nave Mestra

Íamos com cerca de 16 quilómetros de treino e foi aqui que alterámos o rumo do nosso treino, agora novamente em direcção a Manteigas. Tal como até à Nave Mestra, seguimos por um trilho de vegetação rasteira, até chegarmos a uma descida técnica e bastante inclinada que deu muita adrenalina a fazer. Este era o primeiro dia do II Summer Trail Camp e não devíamos abusar, pelo que o ritmo da descida foi “moderado” a poupar para os dias seguintes, mas imagino o pessoal no EGT a fazer esta descida a “abrir”, deve ter sido brutal! Por aqui já conseguíamos desfrutar a paisagem do Vale Glaciar do Zêzere e de alguns pontos já avistávamos Manteigas. Terminada esta descida, corremos mais umas centenas de metros, e somos brindados com outra descida acentuada, bastante técnica pelo meio de barrocos, pinhas e caruma, que acabou por nos levar ao Vale Glaciar a caminho de Manteigas, onde terminámos o nosso treino.

Os 5 Magníficos

 

 

Em resumo foram 27,6 quilómetros neste primeiro dia, com pouco mais de 3000 metros de desnível acumulado, que foram percorridos em ritmo moderado em cerca de 4 horas. Para os curiosos o percurso efectuado neste primeiro dia está disponível clicando aqui.

Um obrigado especial ao Bruno, ao Rui, à Fátima e à Nia, por terem contribuído com energia para este empeno.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!