Fear of the Dark

Este é um artigo com banda sonora. Um bom Heavy Metal, anos 80 no seu melhor, para acompanhar um artigo também ele algo pesado para os atletas, ou não fosse abordar o tema das lesões.

Seja para os desportistas profissionais, seja para estes “malucos” que correm, acontecer uma lesão, por mais pequena que ela seja, é sempre um contratempo com uma dimensão estratosférica. Se para os desportistas profissionais é um contratempo porque não podem exercer a sua profissão e eventualmente ganhar auferir menos por isso, para os “malucos” que correm é um contratempo porque mexe com o seu bem-estar físico e psíquico, com a sua agenda social, e não raras vezes com o investimento que se fez, para ir correr em turismo num lugar distante do local de treinos habitual. Os “malucos” que correm costumam por isso ficar rezingões, chatos e implicativos quando não podem correr. Ao fim de dois dias sem correr parecem crianças com sarampo, quando não podem sair de casa nem brincar com os amigos.

Depois uns dias, semanas, ou meses depois, recupera-se da lesão e volta-se a poder correr, mas aí… surge (quase sempre) a fase do medo. Uma espécie de, como diz a canção, medo do escuro, de não olhar para o lado porque sentimos algo a observar-nos. É um pouco, um tipo torce o tornozelo, recomeça a correr nos trilhos, mas não dá a passada forte que dava anteriormente, não pula para aqui e para ali porque parece que ainda sente qualquer coisa…

E se calhar até sente, porque os “malucos” que correm recomeçam quase todos a treinar antes de curar a 100% as lesões…

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Aproveito para desejar boa sorte a todos os amigos que vão participar este fim-de-semana no Gerês Trail Adventure. É com muita pena que este ano não posso participar, mas a experiência do ano passado, na primeira edição do GTA, foi brutal. Divirtam-se e boa prova para todos.

Resumo dos meses de Março e Abril

Os meses de Março e Abril foram destinados a preparar a participação nos 100 Km do Ultra Trail de São Mamede. Treinos sobretudo em ambiente de trilhos, a treinar desníveis acentuados, resistência física e mental, espirito de equipa e testar equipamentos. A complementar os treinos habituais, a participação nos 50 Km do Inatel Trail do Piodão, nos 42 Km dos Trilhos do Almourol e nos 107 Km do Carlos Sá Gerês Trail Adventure. Provas brutais que permitiram testar os mais diversos pisos e ambientes, desde lama a rocha dura, desde calor intenso a frio e neve, desde quilómetros rolantes a subidas e descidas insanas.

Carlos Sá Gerês Trail Adventure

Para a história do mês de Março ficam os seguintes números:

Contagem: 19 Actividades + 1 Prova
Distância: 347,70 km
Hora: 46:37:51 h:m:s
Ganho de elevação: 10759 m
Velocidade média: 7,5 km/h
Calorias: 6811 C

Trilhos do Almourol
Para a história do mês de Abril ficam os seguintes números:
Contagem: 13 Actividades + 2 Provas
Distância: 332,11 km
Hora: 49:59:31 h:m:s
Ganho de elevação: 12004 m
Velocidade média: 6,6 km/h
Calorias: 8460 C

Inatel Trail do Piodão
A nove dias do Ultra Trail de São Mamede o que havia a treinar está treinado. Agora é manter a forma, não cometer excessos nem de treino nem alimentares, e manter o ritmo até à partida.
Continuação de bons treinos e boas provas!!!

O último grande teste antes do UTSM

Está definido o plano de treinos em modo competição, para preparação para o Ultra Trail de São Mamede.


São duas as provas em que irei testar a força nas pernas e na cabeça antes da grande aventura do UTSM:
  • Primeiro os 50Km do Ultra Trail do Piodão;
  • E a seguir os 105Km (em três dias) do Carlos Sá – Gerês Trail Adventure.

Se este último desafio for concluído com sucesso, estou convicto que a participação no UTSM será tranquila.

O Carlos Sá – Gerês Trail Adventure contará com duas equipas ACCVCAVI que na realidade serão só uma, eu, o João Vargas, o Rui Alegre e o Hugo Fragoso, iremos tentar completar este desafio levando connosco todo o espírito de entreajuda necessário a que os quatro cheguem ao fim com os 105 Km nas pernas.


Até lá ainda falta correr a Maratona de Sevilha cuja preparação tem sido cheia de percalços.
Ainda assim, mais depressa ou mais devagar, Sevilha será um passeio tranquilo e certamente mais rápido que a estreia do ano passado.

Continuação de bons treinos e boas provas!!!