6º Super Trail Pirata Amigos do Parque da Paz

A margem sul do Tejo, apesar de alguns a considerarem um deserto, tem uma magia especial nos seus locais e nas suas gentes. Ontem rumei a sul, até Almada, para participar na 6ª edição do Super Trail Pirata APP, organizado pelo Clube de Atletismo Amigos do Parque da Paz, do meu amigo Luís Roque. Um treino urbano em ritmo suave pelos becos e ruelas de Almada e Cacilhas, passando é claro pelo Parque da Paz, com muita boa disposição e animação à mistura.

Elapsed Time Moving Time Distance Average Speed Max Speed Elevation Gain
01:50:46 01:33:25 15.68 10.07 22.68 231.30
hours hours km km/h km/h meters

Das muitas dezenas de participantes reuniram-se cerca de 250 litros de leite para ajudar uma instituição de solidariedade, o que foi bastante positivo e ultrapassou os 136 litros do ano passado.

12484842_1092087510826151_7542043240449038211_o

Após pouco mais de 16 quilómetros que culminaram com a famosa rampa do Ginjal, terminámos com um magnífico caldo verde oferecido pelo Restaurante O Cacilheiro, que aconchegou bem o estômago de todos.

12402077_1092092337492335_228939419592566738_o

A noite estava espectacular e proporcionou algumas imagens bonitas, sobretudo as tiradas no Cristo Rei, eis algumas delas:

12510932_10208513541815893_2142492975_o

IMG-20160108-WA0006
Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

2015 – O ano desportivo em revista

Fazendo uma retrospectiva do ano desportivo, 2015 foi um ano de altos e baixos, bem diferente do que tinha desejado no final de 2014. Sendo um optimista por natureza, tinha desejado um ano de 2015 cheio de conquistas épicas, à minha dimensão é claro, mas quis o destino que andasse o ano com as voltas trocadas.

Eram três os objectivos a realizar em 2015:

– O Madeira Island Ultra Trail – 115Km 6900m D+

– O Mitic Andorra Ultra Trail – 112Km 9700m D+

– O Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour – 140Km 10000m D+.

Concretizei dois dos objectivos a que me propus, não da maneira tranquila que desejava no início do ano mas, fruto das circunstâncias, sempre em condições de forma física mínimas. O positivo é que foi um ano de grande aprendizagem, não só de conhecimento prático do Ultra Trail em si, mas também de um grande auto conhecimento, que de certeza vai tornar 2016 um ano bem mais tranquilo nos desafios em que irei participar.

velo

A Hora do Esquilo, é um dos treinos em que mais gosto de participar, mas em 2015 foi para esquecer. Em Fevereiro num dos treinos mais tranquilos do ano, fiz por lá uma lesão no tornozelo que condicionou toda a preparação para o MIUT e, em boa verdade, acabou por condicionar todo o ano desportivo. Consegui terminar o MIUT, mas este foi feito com um nível de concentração altíssimo, sempre com muito cuidado a ver onde punha os pés, sobretudo nas descidas, que passaram de meu ponto forte em 2014 para ponto fraco em 2015. É uma prova a repetir, não já em 2016, de uma beleza impar e com um percurso fantástico. Adorei.

Feito o MIUT, tentei preparar o melhor que pude o MITIC. Estava em condições um pouco melhores para o MITIC do que quando iniciei o MIUT, mas torci o tornozelo ao quilómetro 28, e faltando ainda 84 Km com pouco menos de 7000m de desnível positivo para fazer, decidi tomar a decisão de abandonar e não por em risco a minha integridade física. Abandonar um objectivo é uma decisão muito difícil de se tomar, mas tento ser o mais consciente possível e tomar as decisões que penso serem as mais correctas. Foi um momento duro, mas que me permitiu subir alguns níveis na minha cognição.

Daqui ao Mercantour foi um pulinho. Foi a prova mais dura em que participei. No total foram 155Km com 10000m D+, num percurso fantástico e muito bonito pelos cumes dos Alpes Marítimos, mas impróprio para tornozelos mais frágeis. Foi igualmente uma prova de grande aprendizagem e de superação, onde chegar ao fim foi uma alegria imensa.

Depois vieram os disparates. Tentei fazer os 112Km do UTAX para compensar o tornozelo torcido em Andorra, mas depois do Mercantour não treinei nem recuperei em condições, pelo que apesar de sentir que com mais ou menos dificuldade poderia chegar ao fim, decidi abandonar ao quilómetro 50.

Depois de umas semanas de recuperação, regresso aos treinos e à Hora do Esquilo, mas continuo com algum “mau-olhado” nestes treinos, e acabei por dar lá o meu primeiro trambolhão em 4 anos de corridas, que me condicionou de novo o físico para os treinos de corrida.

Acabei por completar o ano de treinos em bicicleta, onde acabei por embarcar em mais uma aventura e completar os 200 Km de Tróia a Sagres em bicicleta de BTT, uma “missão” preparada em pouco mais de três semanas e que me deu muito gosto em concretizar.

Em resumo, em 2015 corri quase menos 800 quilómetros que em 2014, sem nunca conseguir atingir uma forma física consistente como cheguei a atingir em 2014. Por outro lado adicionei cerca de 700 Km em bicicleta o que acabou por compensar um pouco.

Principais lições do ano: definir objectivos é muito importante, treinar convenientemente para os objectivos definidos é fundamental, e descansar e recuperar entre desafios é indispensável.

20150531 Trail Lousa 6

Grato por me ter cruzado com pessoas fantásticas em todos estes desafios, e pelas horas de treinos passadas em Monsanto, em Sintra, na Serra da Estrela, nos Alpes, nos Pirenéus, com novos e antigos amigos. Grato pelo apoio prestado pelo IMT Instituto de Medicina Tradicional e pelo Kalorias Club de Linda-a-Velha que tornaram este ano difícil bem mais fácil de transpor.

Venha agora 2016, com novos desafios e novas superações.

Um bom ano para todos vós!

__________

Se ainda não votaram no RunUltra Blogger Awards 2016 cliquem aqui e escolham o blog da vossa preferência, de preferência este Se for esse o caso, escolham o meu nome, sigam as instruções no final da página da votação e já está.

runultra2

Agradeço desde já a vossa participação.;)

Ultra-Trail® Côte d’Azur Mercantour, os primeiros kms

O dia começou cedo contrariando a prevista manhã de descanso antes da partida. Na chegada a Nice, na véspera, já não foi possível levantar o dorsal para o dia seguinte porque a zona de Expo encerrava às 19h00, tendo esta tarefa de ficar adiada para o dia da corrida. O dia começou assim por volta das 8h00, com o objectivo de levantar o dorsal às 12h00, para partir às 13h00. Longe de ser a ideal, foi a gestão possível para esta prova.

11h45 e estava na zona Expo, situada no paredão junto ao Mar Mediterrâneo e onde atletas e acompanhantes se acumulavam já em grande número. A brisa do mar corria muito leve e fresca, enquanto o calor apertava cada vez mais, a rondar já os 30º. Este era um factor de preocupação, já que a previsão era de correr com cerca de 24º e tempo nebulado, que seria bem mais suave do que correr à torreira do sol com 30º. Afastei esta preocupação da mente e fui levantar o dorsal. O processo de levantar o dorsal, englobava também um controlo 0 ao material obrigatório, e foi talvez o processo de levantamento de dorsal e controlo de material mais eficiente em que já participei. Umas semanas antes já tinha recebido um voucher com toda a informação e que deveria entregar para levantar o dorsal. Dirigi-me à fila para o efeito, que já não tinha ninguém à minha frente, entreguei o voucher e a documentação que tinha sido solicitada. Validaram a informação, deram-me um cesto tipo supermercado com o saco com o dorsal e alguns brindes, e tive de lá colocar a mochila com o equipamento. Aí segui numa linha tipo restaurante self-service, e o cesto chegou ao balcão seguinte, onde validaram novamente o número do dorsal e colocaram uma tag identificativa na mochila que ia utilizar. Segui para o balcão seguinte da linha e simpaticamente pediram-me para abrir a mochila e mostrar o material obrigatório, que confrontavam com a lista do mesmo afixada na mesa. Tive de mostrar os bidons para a água, o casaco impermeável, assoprar o apito, mostrar o frontal e as pilhas suplentes, a reserva alimentar, a manta térmica, a ficha médica que era obrigatório levar, e por fim o telemóvel onde se certificaram que tinha gravado o número de emergência da organização. Havia outro material obrigatório no regulamento, mas esta era a lista reduzida de material que era verificado. Foi um processo rápido e eficaz e que, devidamente organizado, não custou nada a efectuar. De seguida ao processo de levantamento do dorsal e controlo 0, fui ainda a outro balcão devidamente identificado para entregar o saco com a muda de roupa e outros acessórios para a Base de Vida dos 75 Km, sensivelmente a meio da prova. Em todo este processo não demorei mais de 10 minutos, fruto da eficiência da “linha de montagem” que ali estava engendrada. Formalidades cumpridas e tive tempo de relaxar mais um pouco, apreciar a zona da Expo, tirar as fotos da praxe de vários ângulos e feitios, e dar uma vista de olhos rápida aos stands dos patrocinadores. Estava pronto para o início, mas ainda faltava quase uma hora para a partida. Os lugares com sombra estavam praticamente todos ocupados por outras pessoas, pelo que o melhor que arranjei foi um lugar entre a ciclovia e o paredão. Tentei descansar as pernas o mais que pude nessa hora, já que o calor não parava de aumentar e o início de prova que previa ser calmo iria ser muito propício a desidratação fácil.

UTCAM 7

Faltavam 15 minutos para a 1 hora e começou a festa da partida propriamente dita. O speaker foi para o palanque e não mais se calou, apresentou atletas que ficaram bem classificados no UTMB e no CCC, falou da prova, foi desenrolada uma tarja (ao melhor estilo das claque de futebol) de promoção da prova por cima de todos os atletas que fez um efeito muito giro visto de cima filmado do drone, até que finalmente chegou o Sr. XPTO para dar a partida. Já eram 13h15 e este atraso foi perfeitamente desnecessário. Esta partida não foi a partida oficial da prova, mas sim a partida para um prólogo de 4,5 km que antecedeu a partida oficial da corrida, já mais nos arredores de Nice. A partida oficial era às 14h00 pelo que teríamos 45 minutos para cumprir estes 4,5 Km de promoção da prova. Cruzámos todo o centro de Nice num longo pelotão, já que houve quem aproveitasse para começar a correr forte, e quem aproveitasse para fazer uma simples caminhada de aquecimento. Cruzámos um dos famosos jardins, diversos pontos de interesse de Nice, e a população aplaudia e encorajava os atletas, alguns sem perceberem exactamente que coluna seria aquela. Todo o percurso foi sempre acompanhado pela polícia municipal lá do sítio e pela organização, minimizando o impacto quer para o trânsito quer na progressão dos atletas, o que me pareceu muito bem conseguido. Entretanto chegamos ao local da partida, olho para o relógio e eram quase 14h00. Aquela caminhada tinha feito bem às pernas e sentia-me solto e leve para enfrentar os 141 Km que aí vinham.

O pelotão deveria ter pouco mais de 500 atletas, com cerca de 400 para fazer a prova a solo, e os restantes na variante de 2 ou 4 estafetas. Passavam uns 8 minutos das 14h00 quando suou o tiro de partida.

UTCAM 8

Iniciei o percurso num trote suave no meio do pelotão, enquanto tentava enquadrar-me junto de algum grupo de atletas que mantivesse um ritmo semelhante ao que pretendia seguir, mas digamos que isto foi uma tarefa impossível. Mentalmente tinha dividido o percurso em 12 segmentos que correspondiam aos segmentos entre cada abastecimento.

Este primeiro segmento apresentava 11 Km de Nice até Tourrette-Levens. Sendo os primeiros 7Km a subir 690m D+ até ao cume do Mont Chauve. Os primeiros 3 Km foram quase sempre em alcatrão numa zona de impetuosas moradias, que iam rareando à medida que se ia subindo. Os 30 graus apertavam e não foi preciso rolar muito para ficar encharcado de suor. A partida estava já a quase 2 km, mas estava num ponto do pelotão em que todos caminhavam e ninguém ensaiava sequer um pequeno trote, o que me estava a irritar e também a intrigar. Esta era a menor de todas as subidas e se não corresse aqui iria fazer todas as outras de gatas, pelo que recomecei um ligeiro trote e depois uma corrida ligeira e controlada. Aos 3 Km acaba o alcatrão, entra-se num parque e começa o trilho. Finalmente o trilho e a fazer-me relembrar em algumas zonas as Serras da Arrábida e de Sintra. Após o primeiro quilómetro no trilho percebi aquilo que me esperava, muita pedra e muita gravilha ao longo de todo o percurso, o tipo de terreno mais impróprio para os meus pés e tornozelos. Mas já ali estava e agora era para ir até ao fim.

UTCAM 6

Subi, subi, e atrás de mim ia deixando uma paisagem espectacular. Sempre que olhava para trás via toda a montanha a descer até à cidade de Nice, a cidade a estender-se até ao mar, e o mar azul a estender-se até ao infinito, e ainda o sol vermelho que estava bem lá no alto, mas brilhava intensamente no mar. Chegado ao cume foi descer tudo até Tourrette-Levens onde existia um abastecimento apenas de líquidos, mas que foi muito importante para repor água nos bidões, já que estes 11 Km com 30º equivaleram a mais de 1 litro de água bebida. Em Tourrette, uma vila pequena, o abastecimento aconteceu no meio de uma praça, com muito público a aplaudir e encorajar os atletas. Não perdi muito tempo e segui para o segundo segmento, este de 8 Km entre Tourrette-Levens e o Col de Châteauneuf, que brindava com uma subidinha de 430m D+. Foi um troço calmo, que confirmou a presença de pedras e pedrinhas ao longo de todo o trilho, feito em ritmo moderado de quem ainda tem muitos quilómetros pela frente. A principal surpresa estava a ser o facto de que o trilho era basicamente um single track. 90% dos primeiros 100 quilómetros seriam percorridos sempre em single track, não daqueles fechados e cheios de vegetação, mas um single track em que apesar do espaço livre à nossa volta não caberia mais ninguém ao nosso lado. Os primeiros 33 Km da prova seriam os mais apertados em termos de tempo, ainda assim pensava ter uma margem bastante confortável para gerir. Saí do abastecimento dos 19 Km e tinha cerca de 1h30 de avanço sobre o tempo limite de passagem. Aqui tive a certeza que tudo o que a organização tinha dito sobre a prova era verdade. Este seria um dos abastecimentos ligeiros, e estes eram compostos essencialmente por líquidos (água, água com gás, coca cola, chá, café e isotónico) e comida ligeira (bolachas de água e sal, bolachas salgadas, frutos secos, batatas fritas e uma espécie de presunto). Todos os sete abastecimentos ligeiros não forneciam mais do que isto. Nada do que havia para comer me inspirou muita vontade, pelo que bebi um café, comi uma das minhas barras e segui em direcção à primeira base de vida aos 33 Km. Este segmento: Col de Châteauneuf – Levens, tinha 14,5 Km e a principal dificuldade seria a subida ao Mont Férion, que apresentava quase 800m de D+ e a respectiva descida até Levens que tinha outro tanto de desnível negativo em cerca de 4 Km. Quase a chegar a Levens assisto ao primeiro acidente. Seguia a descer em bom ritmo na traseira de uma fila indiana de um grupo de mais 4 atletas, quando o segundo da fila fica com um bastão preso nas rochas e voa literalmente pela ravina abaixo. Felizmente, ao contrário de outras zonas da prova, esta ravina não era muito profunda nem pronunciada ficando ele apenas a 3 metros abaixo de nós. Aparentemente a queda “apenas” lhe causou várias escoriações nas pernas e braços, o que a ser assim terá sido uma grande sorte, tal o voo que este deu. É por estas e por outras que pessoalmente nunca utilizo os bastões para descer rápido em zonas de pedra e rocha. O risco de ficarem presos entre rochas é enorme e as consequências podem ser bem graves. Este acidente disparou um pouco de adrenalina extra, o que curiosamente me tranquilizou e segui até à base de vida muito tranquilo. Cheguei com 6 horas de prova e perto de 2200 metros de desnível positivo à base dos 33 Km. Inicialmente tinha pensado fazer a prova o mais depressa possível, mas com bastante tempo para completar a prova, decidi ali que esta seria a prova perfeita para experimentar novas situações que poderão servir de experiência para o futuro. Tomada a decisão, pousei bastões e mochila numa cadeira, sentei-me noutra, e aproveitei a preciosa ajuda da Marisa, para me ir tratar de tudo no abastecimento. Na base de vida havia de tudo. Além das bebidas e da comida que referi nos abastecimentos ligeiros, tínhamos sopa, massa, queijo, bolonhesa, molho de tomate, pão, bananas, laranjas, barras energéticas, e eventualmente mais duas ou três coisas que agora não me recordo. Também havia casa de banho, duche, podologista, fisioterapeuta e zona de massagens com pelo menos uns 10 massagistas. Havia igualmente uma zona de dormida para quem quisesse, já ali, passar pelas brasas.

UTCAM 4

Entre comidas, casa de banho e relaxar um pouco, passaram 50 minutos. É muito fácil perder horas parados em abastecimentos, quando estes são confortáveis e estamos cansados.

Saí assim desta base de vida com 7 horas de prova, o que equivalia a uma folga de 1h30 relativamente ao tempo limite para sair desta base. Outra novidade para mim nesta corrida, o controlo electrónico era efectuado à saída de cada base, sendo esse o tempo registado como oficial, e não à entrada dos abastecimentos como é costume cá no burgo, apesar de muitas vezes no regulamento dizer que se tem até à hora XX para sair do ponto de controlo. Por lá também o escrito no regulamento bateu certo com a aplicação prática no terreno.

Era já de noite pelo que tive de ligar o frontal. O objectivo era tentar chegar à próxima base de vida dali a 42 Km ainda de noite, para lá tentar dormir um pouco.

Continua…

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Ultra-Trail® Côte d’Azur Mercantour, a primeira impressão

Estes franceses sabem bem aquilo que fazem, é a minha primeira opinião após a participação na primeira edição do Ultra-Trail® Côte d’Azur Mercantour.

Uma organização muito profissional com um grande envolvimento das entidades políticas locais e da região dos Alpes Marítimos, numa primeira edição que foi promovida sobretudo para consumo interno, mas que agor, após o sucesso desta primeira edição, terá todas as condições para se potenciar como uma das provas muito interessantes do calendário europeu dos ultras trail.

Quanto a mim tive o gosto especial de ser o primeiro português a participar e terminar esta prova, (era o único português em prova), e pela primeira vez cruzei a meta com a bandeira Portuguesa ao colo em provas de trail, o que também me deu um especial orgulho no final.

Lá como cá, o fenómeno das inscrições versus participações em provas parece existir. Inscreveram-se para participar nos 140 Km do Ultra-Trail® Côte d’Azur Mercantour 713 atletas, tendo comparecido à partida apenas 402 atletas, dos quais apenas 28 eram mulheres.

No final concluíram a prova 191 atletas (47,5% dos participantes), tendo desistido ao longo do percurso 211 atletas (52,5% dos participantes). Apenas 6% dos atletas eram estrangeiros e representaram 14 diferentes nações.

UTCAM 2Em termos pessoais o objectivo era terminar a prova cumprindo os regulamentos, objectivo que consegui em 46:44:29, posição 167 da classificação geral, numa prova que teve como principal vantagem poder descobrir como reage o meu corpo a situações novas e descobrir os prós e contras de dormir 1 hora durante a prova, dos efeitos de um duche a meio da prova, dos efeito de uma massagem com gel frio a meio da prova, de uma alimentação diferente durante a prova,… uma série de situações para mim novas, que o simpático tempo limite de 50 horas para concluir a prova, me permitiram testar com vista a outros desafios no futuro.

A prova em si teve tanto de interessante como de dura. O início da prova foi na cidade de Nice e o final seria na vila de Saint-Martin Vésubie, sendo o percurso anunciado com pouco mais de 141 Km, 10000 metros de D+ e 9000 metros de D-. No entanto a prova não começaria no Km 0 como habitual mas sim no Km -4,5 ou seja, existiu um prólogo inicial de 4,5 Km (inicialmente eram para ser 6,5 Km mas a organização “atendeu” às reclamações dos participantes e encurtou este prólogo), onde os atletas partiram do passeio marítimo junto ao mar e cruzaram, ao melhor estilo da Volta a França, alguns dos principais pontos de interesse de Nice, até ao local oficial da partida no Km 0, promovendo a prova junto da população e turistas. Diria que 90% da prova terá decorrido em single tracks e que mais de 90% do percurso era em pedra, pedrinhas, gravilha ou coisas tais, o que obrigava a uma atenção e concentração mais do que constantes para não se correr o risco de torcer um tornozelo, escorregar ou cair. A temperatura durante o dia rondou os 30 graus, o que se tornou um desafio para a gestão da hidratação e à noite, sobretudo na segunda noite sempre acima dos 2000 metros, eram bem negativas.

UTCAM 1Do início ao fim do percurso subiu-se a 12 cumes, dois entre 600 a 1000 metros, dois entre 1000 a 1500 metros, três entre 1500 a 2000 metros, três entre 2000 e 2500 metros e dois acima dos 2500 metros de altitude.

Apesar de esta ser uma primeira edição, a organização mostrou-se muito profissional e efectiva, com uma zona de Expo e levantamento dos dorsais muito eficiente e interessante, marcações no terreno ao melhor nível, bases de vida com condições quase irrepreensíveis, e cerca de 600 voluntários, muitos deles ao longo de todo o percurso, que sabiam exactamente onde estavam e o que estavam a fazer, e que prestavam de facto uma ajuda efectiva aos atletas que precisavam.

Feita a primeira introdução ao Ultra-Trail® Côte d’Azur Mercantour, aguardem agora pelas histórias da prova.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

1ªCorrida Vertical Aquashow

Uma das “novas disciplinas” do atletismo que mais me fascina desde que comecei a seguir os “caminhos alternativos” do atletismo, é a denominada Corrida Vertical.

Para quem desconhece o que são as Corridas Verticais, não são mais do que corridas em contra-relógio, a subir escadas do piso 0 até a um dos pisos mais altos de um determinado edifício ou estrutura. Há inclusive um (vários) Circuito Mundial desta especialidade, onde se sobem edifícios tão emblemáticos como o Empire State Building (86 Andares, 1576 degraus, subida de 320 metros), a Torre Taipei 101 no Taiwan (91 Andares, 2046 degraus, subida de 391 metros) ou a Torre ICC em Hong Kong (82 Andares, 2120 degraus, subida de 364 metros). As provas deste circuito e, de outros semelhantes que também existem, costumam passar algumas vezes no Eurosport, e sempre assisti a elas com um misto de interesse, curiosidade e vontade enorme de lá estar a participar.

Por isso, quando surgiu a oportunidade de participar na primeira Corrida Vertical a ter lugar em Portugal, não hesitei e abracei a oportunidade com muita muita vontade.

vertical

A estrutura que se vai subir é a mais recente atracção do Parque Aquático Aquashow: as escadas da “Free Fall”, uma estrutura com 32 metros de altura e 200 degraus.

Ok, não é propriamente subir os 2046 degraus das Torres Taipei, mas para primeira iniciativa e para primeira experiência neste género de provas parece-me perfeitamente aceitável, sendo que a prova consiste não numa mas em três subidas ao topo da Free Fall.

Não vai haver tempo nem disponibilidade para fazer um treino especifico para esta prova, mas tal como aqui quando “subi” as Torres Petronas, conto com a precisosa ajuda do Kalorias e do IMT para me preparar e fazer o melhor possível nesta primeira experiência vertical. Wish me luck!!!
Um exemplo de uma corrida vertical na Torre Taipei 101

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Se estiverem pelo Algarve apareçam no Aquashow. O evento começa às 21h00 e a entrada é livre!

 

3º Trilho das Lampas

Se as provas de trilhos fossem miúdas giras a participar num concurso de beleza, o Trilho das Lampas tinha sempre garantido o prémio da Miss Simpatia. Quando em 2012 participei pela primeira vez na Meia Maratona de São João das Lampas, logo percebi que tudo ali era diferente. Muito se tem falado sobre o “espirito do trail”, e não me parece nada exagerado falar no “espirito das Lampas”. “Espirito” encabeçado na figura do carismático Fernando Andrade, que promove e dinamiza estas duas provas, (Meia Maratona de São João das Lampas e Trilho das Lampas), de uma forma exemplar como poucos. São João das Lampas, uma freguesia pacata do concelho de Sintra, que nos dias em que ocorrem estas provas toma uma dimensão desmesurada, sendo que no passado Sábado voltou a receber um pelotão de atletas com toda a simpatia e deferência para o 3º Trilho das Lampas.

Foto de Paulo Sezilio Fotografia

Este ano o Trilho das Lampas é uma das provas que faz parte do Circuito Nacional de Trail Curto da ATRP, o que desde logo suscitou ainda mais interesse e interessados em participar nesta prova. Foram 900 os inscritos para a 3ª edição do Trilho das Lampas dos quais 805 cortaram a meta, o primeiro classificado com 1h21 de prova, o último classificado com 3h43. Os 20 quilómetros que compuseram esta corrida, com partida e chegada em São João das Lampas, diferiram um pouco das duas primeiras edições nos quilómetros iniciais do percurso. A quase duplicação de número de atletas nesta terceira edição, obrigou a que se estendesse a fase inicial mais rolante de 1 para 2 quilómetros, de modo a alongar o pelotão e tentar mitigar o “entupimento” natural no primeiro single track (a subir), que ocorre logo por volta do quilómetro 3,5 da prova. Quem vai a meio do pelotão acaba sempre por ter de parar neste single track, apesar de serem apenas 500 metros com cerca de 25 metros de D+. Esta primeira secção do percurso, é o designado trilho dos moleiros, uma vez que se desenrola ao longo de caminhos e trilhos por onde se abasteciam de trigo as azenhas e moinhos, sendo precisamente o moinho a primeira imagem de marca desta prova que os atletas têm oportunidade de contemplar. Esta secção corresponde aproximadamente aos primeiros 9 quilómetros da prova, sempre num sobe e desce frequente mas muito rolante, onde o principal obstáculo é mesmo as principais subidas serem em single track, o que dificulta ou impossibilita a passagem para os atletas que estão melhor a subir. Chegados a esta fase do percurso, entra-se naquele que é designado por trilho dos pescadores e que decorre ao longo de caminhos utilizados até aos dias de hoje pelos pescadores na pesca à linha. Esta é talvez, para quem aprecia os bonitos espectáculos que a natureza proporciona, a parte mais espectacular do percurso. Boa parte deste trilho decorre na falésia junto ao mar, onde se desce até à Praia da Samarra, volta-se a subir o trilho até à falésia do outro lado da praia, e segue-se pelo trilho na falésia até à Praia da Vigia, tudo isto acompanhado de um por do sol esplendoroso, que proporciona um lusco-fusco muito preciso para os amantes da natureza.


É claro que os atletas da frente do pelotão perderam este espectáculo, mas por outro lado aproveitaram o sol que ainda devia estar alto na altura em que aqui passaram. Esta é a parte mais técnica da prova, onde há de tudo um pouco: descidas, subidas, areia, single tracks, água, falésias, um manancial de elementos que obriga os atletas a estarem alerta durante todo este segmento. Chegados ao quilómetro 16 entramos na última secção da prova, que é designada por trilho dos romanos, onde temos oportunidade de correr sob alguns vestígios Romanos existentes na região, nomeadamente a Ponte Romana e um caminho romano que nos leva de novo á estrada de ligação a São João das Lampas. Os últimos 2 quilómetros da prova são sempre a subir, daquelas subidas que não matam mas moem, com um desnível positivo de aproximadamente 90 metros. Concluído este terceiro segmento, chega-se ao centro de São João das Lampas onde sprintamos 100 metros na relva até cruzar a meta, e onde a festa já está montada por todos os atletas que nos precederam na chegada.

ZG150509_1201

Na parte que me toca foram 2h12 para cumprir estes 20 quilómetros, em ritmo de treino e numa semana com muitos quilómetros nas pernas. Mais minuto menos minuto decorreu tudo dentro da normalidade e provas curtas e rápidas como esta, não são de todo a minha preferência. Mas, à “mística das Lapas” não posso faltar, pelo que para o ano espero participar de novo nesta prova. Aproveito para agradecer ao Kalorias de Linda-a-Velha e ao Instituto de Medicina Tradicional, o apoio que prestaram para a minha participação no Trilho das Lampas.

Aspectos prácticos da prova:

  • Levantamento de Dorsais: Dois dias, sexta-feira e sábado quase até ao início da prova, tempo mais do que suficiente para se evitarem confusões de última hora. Com o dorsal foi oferecida uma t-shirt técnica alusiva à prova.
  • Marcação da prova: Apesar de conhecer muito bem o percurso desta prova, as fitas estavam sempre no lugar certo, e este ano com reforço em alguns locais em que os mais distraídos reclamaram na edição no ano passado. Nada a apontar. Realce para a espectacular passagem pela Ponte Romana, onde o lume de archotes iluminava todo o caminho ao longo da ponte.
  • Abastecimentos: Dois, aos 6 e 13 quilómetros de prova, com água e fruta, perfeitamente suficientes para uma prova de 20 quilómetros. À chegada todos os atletas receberam um saco com três biscoitos, uma laranja e uma garrafa de água. Cada atleta tinha ainda direito a uma sopa de legumes.
  • Entrega de prémios: Decorreu no interior da colectividade de São João das Lampas, com um salão cheio de atletas a aplaudir os primeiros da prova e de cada escalão.
  • Segurança: Entre voluntários, GNR e Bombeiros, pareceu-me existir apoio mais do que suficiente ao longo de todo o percurso, para garantir a segurança de todos os que participaram nesta prova.

Como é costume nas provas em São João das Lampas, são disponibilizados grelhadores para os atletas fazerem a festa e se juntarem num convívio final muito agradável, com muitos petiscos para repor as calorias de quem correu 20 quilómetros de trilhos muito rolantes, e é isto que faz também parte da “Mística das Lampas”.

Os meus parabéns a todos os que participaram nesta prova, e para o não percam a quarta edição, de certeza que será tão boa ou melhor que a terceira.

Lampas3

Tenho ainda um abraço especial para dar ao Rui Cortes (foto acima), que tive o orgulho de apadrinhar nestas andanças das corridas em trilhos. Outro abraço a outro Rui, o Araújo, colega Kaloriano que devagarinho também chegou ao final desta prova com muita resistência e força de vontade. Parabéns aos Ruis por terem concretizado este objectivo, a partir de agora é sempre a somar! 😉

E para finalizar, os parabéns especiais ao António Pedro Salamandreco, que percorreu os 20 quilómetros dos Trilhos das Lampas descalço, e que devagarinho também chegou ao final sem sobressaltos de maior. (Foto inicial deste artigo).

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Ir ao mecânico

Segunda-feira foi dia de ir ao mecânico, que é como quem diz, ir ao Instituto de Medicina Tradicional para recolocar os “ossos” no sítio.

Consegui fazer os 115 Km do MIUT sem agravar o estado do tornozelo, o que já não foi mau, mas ainda assim foi quase 1h30 a pôr as “peças” no seu devido lugar.

imt_entrada

Agora é mais uma a duas semanas a treinar com calma, para manter tudo no devido lugar e esperar que no fim o chassi esteja mais afinadinho. Depois é recomeçar a treinar o motor para os próximos desafios.

Continuação de bons treinos e boas provas!!!

Corrida, nutrição e reforço muscular

Perder peso e sermos mais saudáveis é sempre um tópico especial, sobretudo nesta época do ano em que a primavera começa a dar os primeiros sinais. Para quem corre o peso é quase sempre um problema, uma vez que é óbvio que quantos menos quilos “carregarmos” menor será o impacto nas pernas e mais fácil e mais rápido conseguiremos correr. No entanto há quem corra 50, 100 ou mais quilómetros por semana e continua a não perder peso, acontecendo que por vezes até o aumenta. Na realidade, perder peso e ficar em forma é relativamente simples. Basta seguir estes 3 passos e começar todo um caminho para nos tornarmos mais saudáveis.

Nutrição:
Este é o primeiro passo da lista, porque é realmente muito importante. Incluo-me no grupo de atletas que corre ou faz exercício 10 ou mais horas por semana e ainda assim não perdemos peso. O exercício por si só não fará com que se perda peso. Melhora o sistema cardiovascular, a densidade óssea e uma infinidade de outras coisas. No entanto, com o objectivo de perder peso, devemos entrar em déficit calórico, ou seja, simplesmente devemos queimar mais calorias do que você consumimos.

Treino de força e reforço muscular:
Um grande equívoco em que muitos acreditam, é a redução localizada de gordura. Basicamente pensam que se fizerem um monte de abdominais vão perder peso em torno da barriga. Infelizmente não é assim que funciona. Seja qual for o exercício vamos perder peso distribuído por todo o corpo. Outro erro relacionado com o treino de força e reforço muscular, é o de que se vai criar tanto músculo e tão depressa, que se vai obter um aumento de peso indesejado, mesmo que seja massa muscular magra.

Cardio:
O último passo do puzzle para perder peso é efectuar exercícios de cardio. A única coisa que limita os exercícios cardio é a nossa imaginação. Obviamente correr é um excelente exercicio cardio, mas remar, andar de bicicleta, nadar, caminhar, escalar, dançar, patins, etc., etc., também o são. É practicamente ilimitado. Se nos estamos a mexer estamos a fazer exercícios cardio. Bastam 30 minutos por dia de cardio, dependendo dos níveis de intensidade, para começar a ver resultados.

Normalmente, a maioria de nós, é capaz de cumprir com algum sucesso 2 dos 3 passos acima. No entanto, por alguma razão, a dificuldade está em conseguir cumprir os três passos ao mesmo tempo. Muitos atletas de resistência cumprem os passos da nutrição e cardio muito bem, mas não fazem treino de força por medo de aumentarem o peso, que é contraproducente em desportos de resistência. Os levantadores de peso cumprem a nutrição e o treino de força na perfeição, mas não fazem exercícios de cardio por medo de perder o volume muscular. E muitos outros exemplos existem por aí… No entanto, a maioria de nós quer apenas ser saudável e de boa aparência, e já agora terminar uns ultra trails por ano.

Se o objectivo de perder peso não está a ser conseguido, então é necessário criar alterações na rotina habitual e incluir pequenas mudanças em todas as três áreas acima (Nutrição/Força/Cardio). Treinar a corrida normal, equilibrar com alguns minutos de treino de força por semana, e fazer pequenas mudanças na dieta habitual, levarão certamente ao resultado desejado.

É importante nunca esquecer que esta é uma mudança de estilo de vida e que estamos a criar uma nova vida. Isso demora tempo e necessita um esforço consistente. Muitas e rápidas mudanças são na maioria das vezes bem intencionadas, mas não são muito sustentáveis, pelo que é necessário ir alterando hábitos para melhor, mas devagar e bem.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

A dor…

Como classificar uma dor numa escala de 0 a 10?

Parece uma pergunta simples e de eventualmente de resposta óbvia, mas para estes loucos que correm, que às vezes fazem (muitos) quilómetros e quilómetros com pés torcidos ou deslocados, por vezes até começam provas de 100 ou mais quilómetros já com estas lesões; que têm dores nas costas, nos joelhos e noutras articulações que nem imaginávamos ter, mas que pensam algo do tipo: só faltam 60 quilómetros não vou parar agora; que sofrem de dores musculares fortes e intensas nas pernas e no resto do corpo, e outras dores tais; como classificar uma simples dor?

Durante provas ou treinos nunca passei por nenhuma situação de grande dor em que tivesse de pensar duas vezes no que estava a fazer, mas tenho muitos amigos que já passaram por situações de dores complicadas e nem sempre tomaram a melhor de decisão, ou seja, parar sem concluir (ou iniciar) determinada prova.

Vem isto a propósito da consulta no IMT para avaliar o meu tornozelo com um ligeiro deslocamento em  dois ligamentos internos, onde me colocaram esta terrível questão. Como classifica a sua dor numa escala de 0 a 10, sendo 10 a pior dor?

Sinceramente lembrei-me do cartoon em baixo e deu-me uma enorme vontade de rir.
http://imgs.xkcd.com/comics/pain_rating.png
Sorri e acabei por responder: menos de 1.

Continuação de bons treinos e boas provas!!! 😉