UTMB® 2015 Le clip de la course

Mais um pequeno e excelente vídeo sobre o Ultra Trail Mont Blanc 2015.

Este não é de nenhuma equipa mas sim produzido por um dos patrocinadores do evento, os franceses i-run.fr.

Este vídeo vale sobretudo pela partilha das emoções…

A expectativa antes da partida, as ajudas preciosas nos abastecimentos, o explodir das emoções à chegada!…

Quase sub-liminarmente, deixa a dica de quanto tão bom pode ser trocar de ténis e de meias a meio do percurso.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

 

Wish me luck

Pessoalmente 2016 está a ser um ano especial e hoje a sorte no sorteio para o Ultra Trail Mont Blanc veio comprovar esta tendência.

A verdadeira aventura começa hoje e durará até 26 de Agosto. Vai ser necessário treinar muito bem, forte e feio, e ter alguma sorte para não surgir alguma indesejada lesão.

Bandeau_CP_2016_FR-e1449677309919

Depois, às 18h00 de 26 de Agosto, terá início a jornada de 170 Km, repleta de muita emoção, superação, introspecção e felicidade, enquanto subo e desço os Alpes cruzando três países: França, Itália e Suíça.

Hoje é o primeiro dia desta grande aventura.

UTMB_presentedby_Columbia_Logo

Wish me luck. 😉

Ultra Trail Mont Blanc 2016

Estão lançados os dados.

O Ultra Trail Mont Blanc é também uma prova de ultra resistência no que à inscrição diz respeito, já que pode ser um plano de participação a três anos.

Com cerca de 10000 candidatos para poucos mais de 2000 lugares disponíveis, existe um sorteio para seleccionar os aventureiros de cada ano. Se no primeiro ano não tivermos sorte no dito sorteio, poderemos ter uma bonificação que nos dará o dobro das hipóteses no sorteio do ano seguinte. Se mesmo assim não tivermos sorte, então a entrada é directa no terceiro ano de inscrição.

Este ano é o meu segundo ano no sorteio. Estas coisas da sorte não querem nada comigo e obviamente fiquei de fora dos sorteados para a edição de 2015. O ano passado inscrevi-me no último dia do ano, para dar sorte, e está visto que não funcionou.

UTMB2

Agora tenho dois bilhetes para o sorteio da edição de 2016, mas mesmo assim continuo a minha pouca sorte em sorteios tem grandes hipóteses de prevalecer. Este ano inscrevi-me no primeiro dia de abertura das inscrições, a conselho do meu amigo Nelson, e para dar sorte. Daqui a umas semanas veremos se funciona!

Se não funcionar em 2017 lá irei directamente, e será caso para dizer: à terceira é de vez.

Votos de boa sorte no sorteio, para todos os amigos que inscreveram em qualquer uma das provas do UTMB.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

__________

Se ainda não votaram no RunUltra Blogger Awards 2016 cliquem aqui e escolham o blog da vossa preferência, de preferência este Se for esse o caso, escolham o meu nome, sigam as instruções no final da página da votação e já está.

runultra2

Agradeço desde já a vossa participação. 😉

Em contagem decrescente

Faltam 8 dias para a partida de mais uma grande aventura, o Ultra Trail Cotê d’Azur Mercantour. Serão cerca de 146 Km com partida em Nice e chegada a Saint Martin-Vésubie, cruzando os Alpes Marítimos pelo Parque Nacional Mercantour num total de 10000 metros de desnível positivo.

É a primeira vez que vou tentar fazer uma prova com tantos quilómetros, o máximo que fiz de uma vez foram 115, mas penso que com alguma sorte e discernimento irei chegar ao fim. Sorte no que diz respeito a lesões, (para não acontecerem azares como no Andorra Ultra Trail), e discernimento no que diz respeito à gestão do esforço e da corrida, os primeiros 40 km tenderão a ser muito rápidos e se o esforço não for bem gerido pode vir a revelar-se fatal na segunda metade da prova que é demolidora.

utcam1

O treino possível foi feito, a prova está preparada e planeada, falta fazer malas e juntar-me aos restantes 531 atletas que vão fazer igualmente este Ultra Trail.

Para quem gosta de preparar antecipadamente as provas ou é simplesmente curioso acerca destes detalhes, deixo aqui o link para o roadbook desta prova. Ficou disponível 40 dias antes da partida e vale a pena uma leitura para perceber o nível de organização. Cliquem aqui para baixar o roadbook. No final virei aqui dizer se tudo correspondeu às expectativas.

Até lá vou ganhando inspiração e motivação extra com as façanhas dos amigos pelas provas do Ultra Trail Mont Blanc. Muitos amigos já terminaram os 119 km do TDS e outros continuam em prova, a equipa do Diogo continua a percorrer os 300 Km do PTL, outros já percorrem os 53Km do OCC e amanhã começam os 101 Km do CCC e os 168 Km da prova rainha UTMB, todas com muitos amigos também presentes.

nevora

E hoje também é dia de apoiar o Nélson Évora na final do triplo salto do Campeonato do Mundo de Atletismo. Desejamos que traga de lá uma medalha!!!

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Então e a festa pá?

Tenho assistido com alguma curiosidade a diversas discussões, sobretudo nas redes sociais, sobre os resultados dos atletas mais lentos nas provas a que se propõem realizar, sobretudo nas provas de maiores distâncias como as maratonas de estrada ou nas distâncias Ultra nas provas de trilhos e montanha.

Excursionistas, caminheiros, Zé dos Pincéis ou outros epítetos igualmente simpáticos, de tudo serve para ironizar um pouco com a prestação mais lenta de alguns atletas. E se pensam que esta questão é exclusiva cá dos Tugas estão muito enganados, na nossa vizinha Espanha também há quem “implique” (e bastante) com estes atletas, aludindo até ao facto de que o que dá interesse à competição, (na opinião dessas pessoas), é uma prova renhida e uma chegada com pouca diferença de tempo, se possível ao sprint, isto referindo-se a provas de Ultra Trail imagine-se.

Há assim um conjunto de pessoas, uns meros especuladores, outros meros espectadores, que opinam e gozam, na minha opinião, sobre o melhor ou pior desempenho de outras pessoas, muitas vezes sem nunca se terem atrevido a colocar no papel dessas mesmas pessoas.

Há aqueles que dizem que maratonistas são aqueles que correm os 42Km da maratona abaixo das 3 horas, há outros que por correrem uma prova de 80 ou 100 Km 30 minutos mais rápido que outros, já não consideram estes mais lentos ultramaratonistas. Enfim, há uma panóplia de “gozações” por aí, que efectivamente só servirão ao ego do “gozador”, já que aos verdadeiros “atletas” penso que isso passará verdadeiramente ao lado.

Estas pessoas deviam centrar os seus esforços, não a gozar com os atletas mais lentos mas antes a tentar mudar as organizações das provas já que são estas que decidem o tempo limite para terminar as mesmas.

É usual o tempo limite para terminar uma maratona de estrada ser 6 horas, assim como muitos ultra-trails poderão ir até às 48 ou mais horas, dependendo da distância e do maior ou menor desnível da prova.

Como trabalho com números, resolvi perder cinco minutos do meu tempo para fazer uma análise rápida e grosseira do que poderia mudar nas provas, se as organizações mudassem as regras de acordo com as pretensões destes pseudo opinantes das corridas.

marathon2

Comecemos então pela Maratona de Londres 2015, uma das grandes maratonas de nível mundial e com prémios chorudos para os vencedores. Para quem não tem ideia da dimensão da Maratona de Londres, este ano foram 43749 os atletas que finalizaram a prova. Por uma questão de facilidade, utilizei os resultados apenas do escalão masculino onde terminaram a prova 23226 atletas.

O vencedor da prova fez o tempo de 2:15:51. O 10º classificado fez mais 5,2% do que o vencedor. Já o 31ºclassificado, o último atleta de elite a ser classificado fez mais 8,4% do que o tempo vencedor. Até ao 40º lugar todos os atletas ficaram com uma diferença inferior a 10% face ao vencedor.

Aqui começa o aspecto subjectivo da análise. É razoável uma variação de 10% face ao tempo do vencedor para excluir os restantes atletas de uma prova? Ou deveríamos considerar uma variação de 20% e incluir assim cerca 390 atletas para a prova? Se saltarmos para uma variação de 30% já conseguiríamos incluir cerca de 1280 atletas na prova, será isto suficiente? Em qualquer ramo de actividade, uma variação de 30% é, salvo raras excepções, uma variação bastante significativa, pelo que considerando que todos os atletas com resultados superiores a 30% face ao recorde do mundo não pudessem participar nesta prova, teríamos de eliminar cerca de 95% dos atletas do escalão masculino que finalizaram esta prova.

Olhando agora para os resultados do Ultra Trail Mont Blanc de 2014, a prova de trail mais famosa do mundo, com os seus 168 Km e quase 10000 de desnível positivo, quem ficaria impedido de participar caso se aplicassem uns critérios do género dos acima expostos?

Em 2014 finalizaram o UTMB 1582 atletas e o vencedor fez o tempo de 20:11:44. Se considerássemos uma diferença de tempo superior a 10% ao vencedor, fiquem sabendo que apenas poderíamos contar com a participação de 5, sim CINCO, atletas. Por exemplo o 8º classificado de 2014, o nosso bem conhecido e campeoníssimo atleta Carlos Sá, terminou com mais 13% de tempo relativamente ao vencedor. Se considerássemos uma diferença limite de 20%, teria terminado a prova assim que o 21º atleta cruzou a meta, e se a variação máxima fosse 30% a prova terminaria à passagem do 43º atleta. O 100º atleta a cruzar a meta demorou quase mais 50% que o vencedor, e como comecei por referir terminaram a prova 1582 atletas.

Em resumo, se as organizações considerassem as pretensões desse núcleo de opinadores e adoptassem uma regra onde aceitassem apenas a participação de atletas com um tempo nunca superior a 30% relativamente ao ano transacto, veríamos a Maratona de Londres ser reduzida a 5% dos participantes e o UTMB a menos de 3% dos participantes. Façam esta análise a provas menos populares e eventualmente esta percentagem ainda se acentuará mais…

marathon

Pergunto agora eu, são estes 5% de atletas que movem as massas? As transmissões televisivas certamente que sim, mas e o turismo, a divulgação dos países, das regiões, das gentes e do locais, a festa para os atletas e para os espectadores, onde se enquadra tudo isto?

Será essa a vontade das organizações? Pelos vistos não uma vez que de ano para ano os regulamentos das provas não diminuem o tempo para finalizar a prova. Na realidade são esses 95% de excursionistas, caminheiros e Zé dos Pincéis, que suportam financeiramente grande parte de eventos como os que referi e que decididamente fazem a festa acontecer.

Para concluir só tenho duas recomendações, uma para os opinadores: que criem e organizem as suas próprias provas e limitem a participação à meia dúzia de atletas de elite que conseguirem convencer a participar, se o conseguirem… Outra para os excursionistas, caminheiros e Zé dos Pincéis, nos quais me incluo, que terminem sempre dentro dos tempos definidos no regulamento das provas e continuem a participar e a fazer a festa; mais minuto menos minuto, mais hora menos hora, os nossos objectivos são cumpridos e a nossa realização pessoal ninguém a tira.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

A primeira decisão para a época de 2016

Está tomada a primeira decisão para a época 2016 que, a bem da verdade, é a segunda.

Trocando por miúdos, o objectivo principal para 2015 seria a participação no Ultra Trail Mont Blanc. Tendo um azar natural em tudo o que não depende do mérito próprio e passa antes por jogos de sorte ou azar como são os sorteios, “naturalmente” não fui sorteado para participar na edição de 2015.

Este passou a ser o objectivo para a época desportiva de 2016, ir correr e desfrutar da mais mítica prova de Ultra Trail do mundo. Pelas regras definidas no regulamento do UTMB, terei no sorteio de 2016, o dobro das probabilidades de ser sorteado relativamente a 2015, na prática é como se tivesse dois bilhetes de lotaria no sorteio em vez de apenas um. No entanto creio que a minha falta de fortuna nestas coisas tem uma forte possibilidade de se continuar a manifestar e que o UTMB ficará lá para 2017, onde caso não tenha sorte no sorteio de 2016, terei entrada directa (isto se até lá não mudarem as regras).

AUT_CompedrosaEsta lenga-lenga toda para chegar à partilha convosco, de que caso a falta de sorte se continue a manifestar para o UTMB, já decidi que em 2016 irei repetir o Andorra Ultra Trail, não no Mitic Ultra Trail, mas desta vez nas 100 milhas mais duras da Europa na Ronda del Cims.

Esta descrição do João Mota (clicar aqui para ler o texto) ilustra excelentemente o que é a Ronda del Cims.

É um desafio brutal e só não é do outro mundo porque é mesmo ali em Andorra.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Ir à Aventura e ajudar o Nepal

Manifesto o meu apoio à iniciativa dos meus amigos Diogo Tavares, Hugo Rocha e Aires Barata.

Pretendem correr, andar e muitas vezes escalar os 300km com 26000D+ no imponente maciço do Mont Blanc que dá pelo nome de LA PETITE TROTTE À LÉON.

La Petite Trotte à Léon é um evento de ultra-resistência, em equipa, de dificuldade extrema, que se  realiza em alta montanha longe de caminhos trilhados. Este evento não é uma corrida, é uma experiência. Uma longa jornada de orientação realizada em autonomia total por uma equipa determinada de 3 amigos. A aventura consiste em contornar a totalidade do maciço do Monte Branco em equipa, passando por três países: França, Itália e Suíça, durante 300km e 26000m de desnível positivo, pelas zonas mais inóspitas da montanha. Atravessa-se em corrida, a passo e muitas vezes em escalada, paisagens únicas, aldeias de montanha, lagos, glaciares e os mais emblemáticos picos do maciço alpino. O tempo máximo para terminar esta aventura são 142 horas.

Os aventureiros


De facto vai ser dramático. Assustador e ao mesmo tempo fascinante. Uma oportunidade única de estar num local tão inóspito como maravilhoso e testar ao limite todas as capacidades físicas e mentais que o ser humano pode ter.

É necessária a ajuda de todos!

Calcula-se que será uma experiência inesquecível.
Vamos correr pelo Nepal. Como objectivo paralelo pretendem oferecer 10% de toda a colecta directamente aos bravos e incansáveis portugueses Lourenço Macedo Santos e Pedro Queirós que dão a dinamizar o Obrigado Portugal, nós também somos Nepal.

Está em curso uma campanha de financiamento colaborativo (Crowdfunding) para angariação de fundos na plataforma PPL com o objectivo de suportar os custos de logística e equipamento que uma aventura destas comporta.

Para ajudarem o Diogo, o Aires e o Hugo, acedam à plataforma PPL clicando aqui.

Para consultarem toda a informação sobre este projecto cliquem aqui.

Obrigado a todos os que ajudam e boa sorte aos aventureiros!!!