Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour 2016

Vão abrir na próxima 6ªfeiras as inscrições para a segunda edição do Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour 2016.

Numa altura que tantos amigos andam à procura de provas que proporcionem bons desafios, esta é uma prova que recomendo vivamente. São 140 quilómetros com 10000m de desnível positivo, uma organização fantástica e irrepreensível, tudo num cenário muito bonito, com partida em Nice junto às praias do Mediterrâneo, e chegada bem no meio dos Alpes Marítimos.

utcam2

Para ajudar a malta, a viagem de Lisboa para Nice é relativamente barata, fruto dos voos directos quer da TAP quer da Easyjet, e com a devida antecedência também se conseguem alojamentos com preços bastante em conta.

Tudo junto, consegue-se um pacote de mini férias com uma excelente prova pelo meio, já que mesmo ao lado de Nice temos o Mónaco e Cannes para visitar.

Quem quiser participar em equipa, os 140 Km da prova principal também podem ser feitos por equipas, em estafeta de 2 ou de 4, provas que tiveram igualmente bastante sucesso na edição deste ano.

utcam3

Se precisarem de mais informações sobre esta prova ou quiserem alguma ajuda, procurem aqui no blogue, usem os comentário (em baixo) ou cliquem aqui e perguntem à vontade.

Para seguir para o site oficial da prova cliquem aqui.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!!

Relembro o perfil da edição deste ano:

UT06

Mimos

Lá por fora, algumas organizações levam muito a sério a promoção das provas que organizam.

Na minha opinião não é mais do que auto reconhecer o esforço e o investimento que fazem para que a sua organização seja muito boa e, por outro lado, reconhecer também o que os atletas que nela participam têm na divulgação e promoção dessas mesmas provas.

A Maratona do Luxemburgo é um dos casos que já relatei aqui no passado e, mais recentemente, o Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour brindou-me também com um mimo pós corrida que partilho agora aqui convosco.

UTCAM letter

Uma simples carta de agradecimento e reconhecimento pela participação na primeira edição do Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour, é um mimo que nos calha sempre bem e que certamente não leva qualquer organização ao prejuízo.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

O checklist pré-corrida

O blogue FIX produziu esta excelente infografia para uma melhor preparação do dia de corrida.

É normal algum nervoso miudinho nos dias que antecedem as provas e com ele esquecer-nos de alguns pormenores que mais tarde se revelam importantes. Com estas dicas será mais fácil não esquecer todos os pormenores pré-corrida e assim aumentar as hipóteses de sucesso para cruzar a linha da meta.


Source: Fix.com

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Outra vez a correr na passadeira

Para quem nunca tinha corrido em passadeira, duas experiências na mesma semana é dose.

Se na terça-feira a experiência no Kalorias foi de livre vontade, hoje foi uma espécie de obrigação.

As organizações das provas de trail running com grandes distâncias e grande desnível, solicitam quase todas um atestado médico que certifique a ausência de quaisquer impedimentos para a prática desportiva. Como ainda não tinha tal atestado e as próximas provas requerem o mesmo, tinha de tratar disso com alguma brevidade e hoje foi o dia.

Após uma pesquisa dos locais que efectuam este tipo de consultas, acabei por optar pelo Centro de Medicina Desportiva de Lisboa, entidade estatal onde os atletas de alto rendimento das diversas modalidades efectuam também os seus exames.

Para o comum dos mortais com mais de 34 anos, a consulta custa 99,80 Euros e é composta por análises ao sangue e urina, exame biométrico e oftalmológico, ECG, RX pulmonar, consulta de medicina desportiva, e prova de esforço com ECG.

Foi a primeira vez que fiz uma prova de esforço e esta seguia o protocolo de Bruce. Para quem não sabe, a ideia da prova de esforço é submeter-nos a uma determinada modalidade de esforço físico graduado e monitorizado com electrocardiograma, aumentando a demanda metabólica do coração, avaliando assim, entre outras coisas, a aptidão cardio-respiratória global e a presença de isquemia no músculo cardíaco. O protocolo de Bruce é uma das maneiras de avaliar e quantificar esse esforço. Basicamente colocam-nos numa passadeira, lá vem a (mal)dita passadeira de novo, (e continuo a não ter jeito para correr na passadeira), onde temos de andar e correr períodos de 3 minutos a determinada velocidade e inclinação, até chegarmos ao nosso limite anaeróbio ou, se formos prós, ir até ao final do teste que poderá durar até aos 21 minutos.

Protocolo de Bruce (Tabela Máxima)

Etapa Minutos

Inclinação (%)

Km/h

METS

1

3 10 2.7

5

2

3 12 4.0

7

3

3 14 5.4

10

4

3 16 6.7

13

5

3 18 8.0

15

6

3 20 8.8

18

7

3

22

9.6

20

Como não sou pró e até já sou entradote, não fui até ao fim do teste, mas para a minha condição actual e com o tornozelo meio empenado até não foi mau de todo, algures na metade final do teste.

O resultado deste teste permite também calcular o VO2Max, existindo fórmulas diversas para esse cálculo, mas isso fica para outro texto.

Do ponto de vista do paciente todo correu normalmente, resta esperar os oito dias para levantar os exames e espero que com estes todos os certificados de provas que pedi para assinarem, atestando a ausência de quaisquer problemas.

O momento alto desta experiência decorreu na fase da consulta com o médico de medicina desportiva. Terminada a auscultação, aponta o estetoscópio na direcção da minha barriga e comenta: “um bocadinho gordinho, andar a correr com isto montanha acima…”

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Trail Run Socorro e Archeira

Após um início de 2015 intermitente no que diz respeito a treinos, consegui finalmente regressar à “normalidade” das semanas de treinos e começar a cumprir o plano que defini para preparar a participação no MIUT. O estado de forma diminuiu significativamente, para valores 50% abaixo da forma de há três meses atrás, e o período natalício fez-se sentir com o regresso de uns quilitos a mais, dos que tinham sido perdidos ao longo do ano de 2014. Foi com esta consciência, que decidi participar no Trail Run Socorro e Archeira para fechar a primeira semana de treinos de 2015.


Esta prova organizada pela Turres Offroad, apresentava duas distâncias, 18 e 29 Km, tendo eu participado na variante de 29 Km. O percurso era apresentado como muito difícil, fruto dos 1600m de desnível positivo que eram anunciados, mas a maior dificuldade seria fruto das condições climatéricas que se fizeram sentir nos dias anteriores à prova, dias com chuva e muita chuva, que tornaram o percurso tipo sobe e desce numa aventura cheia de lama e água. No Domingo a sorte esteve do lado dos atletas e durante a prova não choveu, apesar do frio e da humidade que se fazia sentir no ar.

A minha expectativa para a prova era a de rolar, sem grandes esforços, com o objectivo de acumular quilómetros nas pernas e ganhar forma para os desafios futuros. Foi com este espirito que comecei a correr após a partida mais original que assisti até hoje, com um grito de: “um, dois, três, partida!!!”.

Apesar de não termos combinado qualquer estratégia de corrida, acabei fazendo a totalidade do percurso com o Nélson Marques, o que permitiu passar o tempo de prova sempre na conversa.

A história da prova é de facto muito curta. Foi iniciar no Dolce Campo Real Resort, subir a Serra do Socorro, descer a Serra do Socorro, subir a Serra da Archeira, descer a Serra da Archeira, e terminar no Dolce Campo Real Resort. É claro que para perfazer o desnível positivo anunciado, o percurso não foi assim tão simplista pois tivemos de subir e descer várias vezes ambas as Serras como podem constatar clicando aqui, se pretenderem ver o mapa e o perfil altimétrico da prova. Mas a lama foi de facto a maior dificuldade, diria que uns bons 17 a 18 Km do percurso foram feitos em lama, piso barrento ou em piso mole em muito mau estado, o que dificultava bastante a progressão, sobretudo a subir, onde a falta de tracção no terreno era em alguns locais mesmo muito má. Houve também a passagem por duas linhas de água, talvez cerca de 2 Km do percurso, em que tivemos de percorrer com água até ao joelho e a adivinhar onde púnhamos os pés, parte do percurso de muito difícil progressão mas talvez das mais divertidas de se fazer. A água gelada soube bem e ajudou a recuperar os músculos das pernas do esforço que já traziam da primeira metade do percurso.

DCIM100MEDIA

No final foram 5h17 de corrida, em ritmo leve leve tal como tinha preconizado.

A prova é muito bonita mas a névoa e humidade de Domingo não permitiram vislumbrar as paisagens destes locais. O percurso é duro, sobretudo com o piso no estado em que encontrava, mas nada do outro mundo, sendo um bom desafio para quem gosta de trail. A organização decorreu sem sobressaltos, mas na minha opinião deverá melhorar significativamente ao nível da segurança dos atletas em prova.

Um abraço para o Vargas e para a Jica que foram receber-nos ao final da prova, e outro para os meus colegas Fonseca e Moisés que escolheram esta prova, na variante dos 18Km, para baptismo no trail running. É caso para dizer que ficaram bem baptizados.

Continuação de bons treinos e boas corridas!!!