Grande Prémio da Cruz Quebrada

Domingo foi dia de correr no Troféu de Oeiras, no Grande Prémio de Atletismo da Cruz Quebrada, uma prova de estrada com 7350 metros.

A distância desta prova poderia levar a pensar que seria uma pera doce concluí-la, mas como todas as provas, esta também teve a sua história.

Primeiro, uma prova com pouco mais de 7Km quer-se corrida rápida, mas sendo esta a segunda semana do meu plano de treinos, e tendo feito um treino de 24Km no Sábado, as pernas estavam tudo menos soltinhas para correr rápido.

Por outro lado o mini troféu com o pessoal do trabalho não permitia que facilitasse, e teria de gerir esta mini competição ao longo da corrida. Fomos os mesmo quatro que corremos os Trilhos Saloios.

A partida saiu atrasada cerca de 30 minutos e o aquecimento que tinha feito já tinha perdido o seu efeito. A partida era à sombra, estava fresquinho e estava de novo frio. O Cabaça acelerou e só o vimos de novo na meta. O Moisés, o Fonseca e eu, seguimos à vista uns dos outros no primeiro quilómetro e picos, até que eles aceleraram um pouco e eu mantive-me no meu ritmo sereno, perdendo-os de vista durante uns metros. Na subida que vai do campo de ténis do Jamor até ao Kalorias de Linda-a-Velha, apanhei o Moisés e recomecei a ver o Fonseca.

Mantive-me sereno quando começou a descida. Pensei que não devia abusar e manter o plano de rolar com calma estas primeiras quatro semanas de treino e até perder mais uns quilitos. Ia nestes pensamentos e o Moisés passa por mim de novo. Segui a cerca de 20 metros dele e quando a descida acentuou mais decidi acelerar um pouco. Às tantas dou por mim a ir a correr a 3:15 atrás do Moisés e é certo que fiquei a menos de meia dúzia de metros dele. Felizmente decidi parar o exagero e fui calmamente até à meta, tendo terminado este mini troféu na última posição, nas próximas provas vou ter de recuperar posições.

Continuação de boas aventuras!!!

II Trilho Saloio

Sexta-feira foi dia de ir até Covas de Ferro participar no II Trilho Saloio, a primeira prova do Troféu Sintra a Correr.

Dia chuvoso, o que indiciava que uma parte do percurso poderia estar enlameado, o que se veio a confirmar.

Esta prova tinha o aliciante adicional de ter mais colegas do trabalho a participar, estando assim aberta uma mini competição entre nós. Dos quatro que participámos nesta mini corrida só nossa, terminei em segundo, já que o Cabaça (que não treinava há 3 meses) se revelou em grande forma.

A prova, integrada no Troféu Sintra a Correr, foi organizada com a competência e simpatia reconhecida à equipa dos Montes Saloios. Percurso de 6300 metros, sobretudo em estradões e num ou outro trilho mais estreito, onde a principal dificuldade acabou por ser a lama com que fomos brindados em alguns troços.

A minha prova foi mais ou menos dentro do esperado, a um ritmo médio de 5:44/Km e a controlar a frequência cardíaca que ainda não estabilizou nos níveis habituais de treino e corrida, mas que com o treino começa a dar sinais de voltar à melhor forma.

Há que continuar a treinar. A próxima prova do Troféu de Oeiras é no próximo Domingo, e aí veremos como está a progredir a minha forma.

Continuação de boas aventuras!!!

Grande Prémio de Porto Salvo

Domingo foi, como tinha referido no artigo anterior, o inicio do Troféu das Localidades e, o meu regresso às corridas de estrada.

Já não me lembrava bem das sensações de correr uma prova de estrada.

O burburinho dos milhares de participantes.

A sensação antes da partida de que vou ser atropelado por toda a multidão que se encontra atrás de mim.

As picardias entre os atletas ao longo da prova.

A superação dos objectivos “invisíveis” que vou definindo já no decorrer da prova.

 

Após uma série de meses de treinos muito limitados, á altura de tentar retomar a forma rumo aos 100Km. É uma espécie de “dos 100Kg aos 100Km” parte II. Ainda estou na fase inicial de perder o peso que acumulei ao longo dos últimos meses, mais ou menos 10Kg só para ficar mais confortável.

O ritmo também é agora bem mais lento do que já foi, mas não há milagres e, devagar, irei de novo chegar à forma desejada.

Esta corrida indicava que teria cerca de 8Km e o meu objectivo era realizá-la na minha zona 3 dos batimentos cardíacos. Objectivo não atingido já que, segundo o meu registo, corri cerca de 70% da prova um pouco acima da zona 3.

Batimentos cardíacos à parte, todo este controlo resultou numa média de 5:30/Km o que deu pouco menos de 43 minutos para cumprir 7,7Km.

Mesmo assim mais para o rechonchudo, deu para ficar na posição 96 do meu escalão e em 456 da geral, não foi bom, mas também não foi péssimo, foi assim só para o deslavado.

Venham mais treinos e menos quilos, rumo aos 100Km.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

12ª Corrida do Benfica

Uma manhã tranquila pelos lados de Carnide, na 12ª Corrida do Benfica.

Muitas caras conhecidas e com alguns amigos, ilustres sportinguistas, infiltrados no pelotão maioritariamente benfiquista, a demonstrar que o desporto é e deve ser uma competição saudável.

Com o termómetro a marcar 23 ou mais graus, o calor seria a maior dificuldade.

Elapsed Time Moving Time Distance Average Speed Max Speed Elevation Gain
00:54:18 00:54:15 10.28 11.37 33.48 87.00
hours hours km km/h km/h meters

O percurso é um pouco diferente daquele que percorri há cinco anos atrás, começando agora junto do Hospital da Luz, com algumas zonas de ligeiro desnível quer a subir quer a descer.

A minha corrida foi prudente para não prejudicar a recuperação do tornozelo, e terminei com pouco mais de 54 minutos de prova.

Agora é continuar a treinar e a recuperar rumo à boa forma.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!