Regresso aos 10Km

Nem de propósito, este artigo do sítio Corredores Anónimos sobre a perda de rendimento desportivo quando se falham treinos, veio parar à minha timeline.

Segundo o artigo, quando se falham 7 semanas de treino, a percentagem de perda de condição física vaia entre 90 a 100%, ou seja voltamos à estaca zero, quase como se nunca tivéssemos corrido na vida.

E é precisamente assim que me sinto, na estaca 0. Não foram 7 semanas mas antes 5 meses, com uma redução de carga de 100Km semanais para pouco mais de 10Km, e há dois meses atrás quando tinha retomado os treinos, aconteceu de novo uma entorse no tornozelo e lá foram os poucos treinos já efectuados por água abaixo.

Agora estou a retomar de novo, com a preciosa ajuda dos osteopatas do IMT que me colocaram literalmente os ossos todos no seu lugar, faltando ainda estabilizar a parte do ligamento, tradicionalmente mais morosa na recuperação.

Portanto tem sido um recomeço doloroso, com muito sacrifício, excesso de peso para queimar, sem muita carga quer nos quilómetros quer no ritmo de treino. Para já é o possível.

É neste cenário que amanhã vou participar na 12ª Corrida do Benfica, 10 Km que espero sejam divertidos, mas que antevejo penosos no que em termos de ritmo e resultado final diz respeito, ainda para mais considerando que a corrida começa às 11h15 e o calor vai fazer mossa.

Em 2012 esta foi a terceira corrida de 10 Km em que participei, podem reler esta memória clicando aqui e, amanhã, cinco anos e alguns milhares de quilómetros nas pernas depois, lá vou até Carnide, um lugar onde costumo ser feliz bastantes vezes.

Vamos juntos, nas calmas, e amanhã veremos o resultado.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Regresso à Estrada

A última prova de estrada que fiz tinha sido há pouco mais de dois anos, na Maratona do Porto. Desde então as provas oficiais em que participei foram exclusivamente de trilhos.

Ontem porém, regressei às provas de estrada e mais uma vez por um bom motivo, apadrinhar o meu primo Mário na sua estreia nos 21Km.

O objectivo dele era terminar em menos de 2 horas de prova, e eu mesmo sem grande treino nos últimos dois meses aceitei o desafio de ir puxar por ele na Meia Maratona de Évora.

Évora é uma cidade de que gosto muito e foi bom rever esta cidade bonita e cheia de história. Esta corrida serviu também para rever alguns amigos que já não via há algum tempo, precisamente por me ter dedicado às corridas na montanha.

Elapsed Time Moving Time Distance Average Speed Max Speed Elevation Gain
01:55:59 01:55:22 21.37 11.11 19.44 136.60
hours hours km km/h km/h meters

A prova em si foi tranquila, começou na Praça do Giraldo e serpenteou algumas mias estreitas do centro histórico de Évora, até chegarmos ao Templo de Diana. Apesar de mais estreitas, conseguimos circular sem atropelos ou acidentes ou que já não foi mau. Nem o piso de empedrado ou paralelo que eu detesto desta vez me incomodou.

Depois foi circular na zonas circundantes à cidade, para regressar de novo à Praça do Giraldo onde chegámos com pouco mais de 1h55 de corrida.

A prova em si foi tranquila. Foi um luxo para o Mário ter duas lebres a puxar por ele, eu e o Ivo. Começámos, talvez, um pouco rápido de mais para o Mário, e ele veio a ressentir-se a partir do Km 18, onde começou com cãibras e teve de abrandar forçosamente. Foi pena, porque a parte final da corrida era propícia a acelerar mais um pouco e poderíamos ter tirado uns minutos ao tempo final, mas para uma estreia não foi mau de todo, e tomara eu ter feito menos de 2 horas quando me estreei na Meia Maratona.

img-20161127-wa0017

Foi bom para mudar um pouco o registo das provas de montanha, e até ao final do ano ainda irei participar em mais uma ou duas provas de estrada para desanuviar. Uma será a primeira edição da São Silvestre de Almada, outra ainda se verá.

Agora venha o Caminho de Santiago, onde espero encontrar a inspiração para preparar um 2017 em grande.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!