Revogar o irrevogável

O meu amigo e atleta João Colaço tinha decidido abandonar as ultras depois de participar na Euforia, corrida de montanha em Andorra, com 233Km e mais de 20000 metros de desnível positivo.

Mas como ele próprio diz “Por vezes, as maiores certezas desaparecem num ápice. Para o mal ou para o bem? No mínimo, para a frente! Siga!”.

E a propósito disto escreveu o interessante texto que aqui partilho ou que podem ler directamente clicando aqui.

Que continues a inspirar muitos atletas com os teus feito João.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Regresso aos 21Km

Há mais de seis meses que não corria 21Km.

Finalmente com o tornozelo a não dar chatices e depois de umas semanas a suar as queijadas de figo acumuladas nas férias, este fim-de-semana lá me juntei (a medo) a um grupo de Salamandrecos que ia correr 20 a 25 Km pela Serra de Sintra.

O anúncio que o Adro colocou sobre o treino era claro, treino duro, duração de 3 horas, 20 a 25Km. Isto queria dizer que para além da distância, o desnível iria ser “bruto” e as perninhas iam doer a subir e a descer.

Nas últimas semanas os treinos foram quase sempre à volta de 10Km, mas na 4ª por Belas fui até aos 16 Km e senti-me bem. Os primeiros quilómetros custam sempre um pouco, mas a partir dos 10 Km a máquina parece que fica mais oleada.

E no Sábado também foi assim. Apesar de ir preparado para fazer um desvio rumo ao fim do treino a qualquer momento, consegui ir acompanhando as lebres ao longo de todo o treino, ainda com algum esforço é claro, mas ainda há alguns quilos extra para mandar embora.

As sensações foram boas e isso é o mais importante. Agora é ir treinando e a forma vai regressar aos poucos.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Vamos apoiar a Selecção Nacional

Amanhã, dia 10 de Junho, é dia de Portugal e dia da Seleção Nacional de Trail que compete Campeonato do Mundo de Trail 2017 na Tuscânia em Itália.

Depois da brilhante participação no Campeonato do Mundo de 2016 que decorreu no Gerês, é com alguma expectativa (apesar da ausência do Tiago Aires), que irei acompanhar a nossa equipa neste campeonato.

A titulo individual aposto no brilharete do Hélio e da Inês, que se estiverem em forma, irão ser capazes de nos surpreender a todos pela positiva.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Só falta a água!

O troço do passeio marítimo Cruz Quebrada – Baía dos Golfinhos, que abriu no final do ano passado, foi uma obra polémica mas está de facto uma zona muito agradável para correr, andar de bicicleta ou simplesmente passear.

Este passeio marítimo que começa no túnel da Cruz Quebrada e vai até ao Forte de São Bruno/Baía dos Golfinhos (ou vice-versa) tem cerca de 2 quilómetros de extensão e uma largura ao longo de todo o percurso de uns bons 7 a 8 metros, permitindo a circulação de todas os transeuntes nas mais diversas actividades sem qualquer tipo de atropelo.

Faltam talvez um ou dois pontos de água, que tornariam este troço de verdadeira qualidade 5 estrelas.

Hoje o Kalorias Running foi até à Baía dos Golfinhos num ritmo tranquilo, como é apanágio do treino às segunda feiras, e tive de fazer algumas paragens para cumprimentar uma série de amigos dos treinos de estrada que já não via há algum tempo, o João “Canhão” Afonso, que estava a afinar as pernas para a maratona de Boston e o Mário que andava a passear o ser rebento.

Estes finais de tarde primaverais são excelentes para correr, e a luz do pôr do sol é fantástica na nossa Lisboa.

Na próxima 2ªfeira há novo treino por aqui. Apareçam 🙂

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Nota: Já existe, (não sei se já existia antes, mas a existir nunca tinha dado por ele), um bebedouro junto à Baía dos Golfinhos 🙂

12ª Corrida do Benfica

Uma manhã tranquila pelos lados de Carnide, na 12ª Corrida do Benfica.

Muitas caras conhecidas e com alguns amigos, ilustres sportinguistas, infiltrados no pelotão maioritariamente benfiquista, a demonstrar que o desporto é e deve ser uma competição saudável.

Com o termómetro a marcar 23 ou mais graus, o calor seria a maior dificuldade.

Elapsed Time Moving Time Distance Average Speed Max Speed Elevation Gain
00:54:18 00:54:15 10.28 11.37 33.48 87.00
hours hours km km/h km/h meters

O percurso é um pouco diferente daquele que percorri há cinco anos atrás, começando agora junto do Hospital da Luz, com algumas zonas de ligeiro desnível quer a subir quer a descer.

A minha corrida foi prudente para não prejudicar a recuperação do tornozelo, e terminei com pouco mais de 54 minutos de prova.

Agora é continuar a treinar e a recuperar rumo à boa forma.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Boa sorte no UTMB 2017

Hoje é dia de dar os parabéns a uma dezena de amigos que tiveram a fortuna de ser sorteados para participar na edição de 2017 do Ultra Trail Mont Blanc.

Mas sensações que se têm quando se é sorteado e se vai participar pela primeira vez são, penso eu, uma mistura de alegria e de temor.

Alegria porque se vai participar numa das provas mais famosas do mundo, temor por que sabemos que ainda só estamos a meio caminho e que ainda vai ser preciso treinar duro nos 8 meses que faltam até à partida.

Participar no UTMB para um mortal como eu, é sobretudo um grande privilégio, pelo que há que ir com dias para desfrutar o evento, toda a semana em que o evento decorre se possível.

Participar no UTMB é como se um “coxo” que só sabe dar dois toques na bola, tivesse a oportunidade de treinar toda uma semana com o Real Madrid e ser titular no Domingo seguinte ao lado do Cristiano Ronaldo e companhia. É poder partilhar eventos com os melhores atletas de trail running do mundo, +e poder correr, ou pelo menos partir, ao lado deles, é desfrutar de uma mega organização, super profissional, onde efectivamente nos parece que tudo está no sítio e a funcionar.

Participar no UTMB é mesmo esse privilégio, de desfrutar o ambiente do evento, de sentir a energia da partida, de usufruir da entreajuda ao longo do percurso.

O Monte Branco é fantástico, subir aqueles picos é enorme, as paisagens são fabulosas, a organização do UTMB é fabulosa.

Vão, divirtam-se e regressem com muitas histórias para contar.

Nota: Os ainda mais “malucos” que vão participar na maior prova do Ultra Trail Mont Blanc, a PTL 290Km pelas montanhas em auto-suficiência, a minha insana solidariedade. O Sr. Ribeiro, o Sr. Manel, o Sr. Julião, o Sr. Bruno, o Sr. Diogo, o Sr. Gonçalo, entre outros, têm o meu respeito e estão mesmo no topo da loucura! Força e vou acompanhar a vossa aventura à distância mas com muita atenção. O Sr. Ribeiro vai ter histórias para partilhar nos próximos 5 anos…

__________

Peço a vossa ajuda para votarem neste blogue no RunUltra Blogger Awards 2017.

Cliquem aqui ou na imagem em baixo, escolham o meu nome para votar no Off The Beaten Track, vão até ao final da página e sigam as instruções que lá estão para concluir a votação e já está.

Agradeço desde já a vossa participação.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Trail do Zêzere

Sábado participei nos 20Km do Trail do Zêzere.

Fui correr em espírito de missão, a apadrinhar a Marisa na sua estreia simultânea em provas de trail e provas com mais de 10 Km.

img_20161116_082829

Correu bem. Terminámos com 3h26, mas numa estreia, com muito ainda para treinar e para perceber como se corre em trilhos, não podia ser melhor.

Eu diverti-me bastante. Ir no fim do pelotão, a ouvir os comentários e lamurias do pessoal que se “aventura” agora nos 20Km, fez-me recuar não muito longe no tempo e recordar as minhas próprias lamurias.

O caminho faz-se caminhando, e o processo de aprendizagem continua em curso.

img_20161112_104303

 

Por mais quilómetros que coloquemos nas pernas, por mais rápido que sejamos, estamos sempre a aprender e, como em tudo na vida, convém não nos esquecermos como tudo começa e respeitar muito todos aqueles que no fim do pelotão, têm o mesmo sonho que nós de correr mais longe e de correr mais rápido.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Os melhores momentos do Trail World Championships 2016

Os melhores do mundo do Trail Running estiveram no Gerês.

Faltou, talvez, a melhor selecção dos Estados Unidos, para a competição ser ainda mais forte.

Assim o título decidiu-se entre franceses e espanhóis, com o Espanhol Luis Alberto Hernando a conquistar o título individual masculino e a francesa Caroline Chaverot a ganhar o título feminino. Por equipas a França fez a dobradinha, vencendo a classificação colectiva em masculinos e femininos.

Foi uma competição enorme, como se quer de um Campeonato do Mundo, muito bem organizada pelo Carlos Sá e a sua equipa, e de todos os artigos, entrevistas ou reportagens que tenho lido, é unânime que esta foi uma grande prova e uma excelente competição.

A equipa portuguesa também se portou muito bem, e apesar de alguns contratempos com lesões ainda conseguiu um brilhante sexto lugar nos femininos e quinto lugar nos masculinos.

Foi pena não estar presente uma massa humana correspondente à dimensão desta prova a apoiar os atletas nos melhores pontos do percurso, zona da meta incluída, mas mesmo assim considero que estamos a melhorar a nossa cultura desportiva.

Partilho aqui convosco o vídeo com os melhores momentos desta competição.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Campeonato do Mundo de Trail Running

 

Amanhã muitos de nós terão o privilégio de assistir aos Campeonatos do Mundo de Trail Running. Quem quiser ver ao vivo muitos dos melhores atletas da actualidade desta modalidade, apenas tem de se deslocar até ao Gerês e esperar pela sua passagem, e de certeza que não vai dar o seu tempo por perdido.

As Selecções Nacionais de cada país, estão representadas ao mais alto nível, à excepção talvez dos Estados Unidos que não trás os seus melhores atletas, a adivinha-se uma competição renhida, com destaque, talvez, para as selecções de Espanha e França, que apresentam os seus melhores atletas.

A Selecção Nacional também está muito bem representada, e pode ser que o factor “casa” possa ser uma mais-valia para fazermos um brilharete.

portugal

 

A corrida tem início às 5h00 em Rio Caldo e percorrerá 85Km até à meta em Arcos de Valdevez, onde os primeiros deverão chegar por volta das 13 horas. Podem consultar todo o percurso da prova e os melhores locais para assistir clicando aqui.

Esta é uma oportunidade única de assistir a um evento de classe mundial, com muitos atletas de topo. Aproveitem 😉

Um voto de boa sorte a todos os atletas participantes e em particular para a nossa Selecção!

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

The show must go on…

Ter de desistir no Ultra Trail Mont Blanc foi como falhar o último penálti na final da Liga dos Campeões.

Foi sentir a festa, sentir todo o ambiente à volta da prova, partilhar momentos com muitos outras atletas, sentir as dificuldades e desfrutar das paisagens fantásticas do Monte Branco, e chegar ao fim e ver os outros levantarem a taça.

Não me sinto desiludido pois sei que fiz o melhor que consegui. Sinto-me chateado e irritado comigo próprio porque um erro estúpido, de rookie, mas de qual apenas sou o único responsável, comprometeu tudo o que ficou para trás.

E para trás não ficaram apenas os quase 100Km que corri no UTMB, ficaram também, os 1400 Km de treino específico para esta prova, os 150 Km do Ultra Trail Cotê d’Azur, os 115 Km do MIUT, os 82 Km do Arrábida Ultra Trail, e os mais de 3500Km com que preparei estas provas que me permitiram qualificar e participar no UTMB.

Sabia bem ao que ia, daquilo que fiz deu para perceber que o UTMB não é mais duro que o Ultra Trail Cotê d’Azur. Estava relativamente bem preparado (para o meu nível) e, nos 100Km que percorri, não cheguei a conhecer o homem da marreta. Muscularmente estava bem e tinha a percepção que podia ir mais longe sem problemas.

Literalmente, eu tinha a marreta nas mãos e deixei-a cair nos meus pés.

Decisão de última hora antes da partida, decidi calçar umas meias mais grossas do que aquelas com que treinei nos últimos meses. Pior do que isso, apesar das centenas de quilómetros que já corri com aquelas meias, nunca tinha experimentado o binómio meias + ténis com que iniciei o UTMB. O muito calor que se fez sentir e o acumular de quilómetros, fez com que os meus pés inchassem mais que o normal. Em conjunto com umas meias mais grossas que o habitual e os pensos que levava nos dedos, criei uma mistura explosiva que começou a surtir efeito logo a partir do Km 16 quando se iniciou a descida para Saint-Gervais. Não sentia os pés confortáveis, os dedos queriam sistematicamente ultrapassar a frente dos ténis, e ou os encolhia ou os deixava roçar na malha. Cheguei a Saint-Gervais com essa sensação de desconforto, mas os longos quilómetros seguintes sempre a subir atenuaram essa sensação de desconforto. O pior veio a seguir com a descida para Les Chapieux. Sem perceber bem porquê cheguei lá em baixo com os pés desfeitos e os dedos dos pés quase mortos. A subida seguinte atenuou novamente a dor, mas a descida até Lac Compal foi novamente demolidora e, sei agora, acabou com o que restava dos meus dedinhos. Cheguei a Lac Combal e fiz aquilo que já deveria ter feito há mais tempo, descalçar-me e trocar as meias. Too late. A unha de meu dedo grande do pé direito estava completamente em sangue e a cada passo a descer era como se me espetassem um prego quente na parte da frente do pé. Subi até ao Col du Mont-Favre a pensar no que seria a descida até Courmayeur  e quando comecei a descer foi simplesmente brutal, o misto de sentimentos entre a força para continuar e o sacrifício para descer eram contraditórios, e claro correr era impossível, e tive de me arrastar descida abaixo.

Elapsed Time Moving Time Distance Average Speed Max Speed Elevation Gain
22:38:45 18:24:28 96.94 5.27 34.92 6,060.20
hours hours km km/h km/h meters

Chegado a Courmayeur a queimar o tempo limite, apenas tive tempo para tomar um duche rápido e tratar dos pés o melhor que pude. A hora era de decisões: parar ou continuar. Decidi continuar. Tinha esperança que a subida que se seguia me animasse e animou. A subir não tinha dores por aí além e até ao refúgio Bertone ultrapassei umas boas dezenas de outros atletas. A triste realidade veio depois a caminho do refúgio Bonatti, num terreno relativamente rolante, as dores no dedo do pé aumentaram e impediam-me mesmo de correr. Comecei a fazer contas aos tempos e aos quilómetros e achei que o melhor era parar já que a situação do dedo do pé só iria piorar e dificilmente iria conseguir recuperar algum tempo naquelas condições.

Deitei-me na relva a observar as montanhas e decidi dormitar 30 minutos. Não consegui dormir mas a beleza da paisagem valeu cada segundo ali dispensado. Prossegui em direcção ao Refúgio Bonatti lentamente e a desfrutar a montanha. Cheguei ao refúgio e abandonei a prova. Falhei o penálti mas a vida continua.

Hoje foi dia de regressar às corridas. O dedo do pé direito continua em recuperação, meio dormente, ainda não totalmente recuperado da aventura, mas já aguentou 10 quilómetros sem problemas.

The show must go on!

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!