I Trail do Fluviário de Mora

A minha participação no I Trail do Fluviário de Mora, tal como no II Dura Trail, foi decidida no último momento e com o intuito de dar quilómetros às pernas sem desculpas ou preguiças que por vezes “empenam” os treinos.

Depois dos 38 Km na Serra da Arrábida de Sábado, proponha-me agora a correr mais 30 Km, no Domingo, pelos trilhos alentejanos.

Esta prova, apesar do patrocínio do Jornal I, não foi muito divulgada e apenas tropecei nela porque investiguei com mais profundidade quais as provas que existiam neste fim-de-semana. Talvez por este motivo ou por a organização querer aferir primeiro como é isto de organizar uma primeira edição de uma prova de trail, dos quase 40 inscritos na prova longa apenas compareceram 24 à partida. A prova prometia ser rápida, com cerca de 250 metros de desnível positivo, e o meu plano era rolar num ritmo tranquilo, de cerca 7:00/Km, fosse a subir fosse a descer, para não comprometer o objectivo principal de treinar para o Arrábida Ultra Trail. Esta “táctica” a que chamo carinhosamente de “Táctica Analice”, pelo facto desta fantástica atleta correr sempre num ritmo muito certinho durante todas as provas, veio a revelar-se muito acertada, pois terminei os 33Km e 416 m D+ que totalizaram esta prova, muito bem e sem qualquer tipo de mazela, totalizando assim 71 Km nas pernas nas duas provas do fim-de-semana.

A prova começou às 9h15 na Ribeira da Raia, junto ao Fluviário de Mora, e mesmo com o atrasar da hora nessa noite o calor já se fazia sentir e foi preciso ter algum cuidado com a hidratação.

Dada a partida, um grupo grande com quase todos os participantes, precipitou-se a correr num ritmo elevado e que antevi que não iria correr bem para a maior parte deles, mesmo não tendo já 38 Km nas pernas como eu. Dos 24 atletas ficámos apenas 5 para trás e no final dos primeiros 3 Km de prova eramos só 4 a rolar num ritmo mais tranquilo.

Os primeiros 6Km foram para atravessar a Mata Nacional do Cabeção, num percurso misto de estradão/terra, com partes arenosas que dificultavam a progressão, num carrocel de pequenas subidas e descidas que, não seu conjunto, ajudavam a cansar mais um pouco do estaria à espera. Depois foi rolar até ao Cabeção, onde recebemos alguns aplausos tímidos da população. Saídos do Cabeção, o destino era novamente o Fluviário de Mora, seguindo por um estradão que cruzou diferentes paisagens alentejanas, cruzando a Mata Nacional do Cabeção no lado oposto que corremos inicialmente, e chegando ao fluviário pelo passadiço que percorre um bom pedaço da Ribeira da Raia. Cruzei o local da partida e que agora era o quilómetro 14 com 1h33 decorrida, perfeitamente dentro do planeado. Por esta altura já seguia há uns 4 ou 5 Km na companhia de outro atleta, o António Lopes, e íamos mantendo uma conversa bem disposta enquanto percorríamos o trilho. Por esta altura comecei também a ultrapassar alguns atletas que com o arranque mais rápido começam a sentir dificuldades, e ainda faltavam 16 Km (que seriam 18…).

Seguimos agora em direcção a Mora, por trilhos sempre de paisagem diferenciada, com uma subidinha aqui e ali, e sempre no tal ritmo tranquilo. Tínhamos passado o Km 23 quando começamos a entrar em Mora e começo a ver mais atletas num ritmo já mais para o cansado. Numa recta longa de talvez um quilómetro, o António começa a baixar o ritmo e ultrapassámos a média que tinha previsto para mim de 7:00/km. Sentia-me bem e decidi puxar um pouco. Não houve reacção pelo que decido seguir sozinho num ritmo mais forte. Entretanto apanho o atleta que já tinha visto 1 km antes. Aproveito a subida para o centro de Mora para continuar a correr ao meu ritmo e deixá-lo definitivamente para trás. Cruzei Mora e o percurso entrou novamente numa zona de estradão, atravessando alguns troços de alcatrão e tendo de atravessar pela primeira vez a Ribeira da Raia. Soube bem molhar os pés e as pernas, mas esperava uma água fresca ou gelada para ajudar a recuperar os músculos, mas infelizmente a água estava mais uma espécie de caldo morno. Depois foi correr mais uns quilómetros paralelos à ribeira e entrar numa zona onde se correu pouco mais de 2 Km paralelos ao canal de rega, percurso muito interessante de se fazer por ser algo diferente do habitual. Atravessei novamente a Ribeira da Raia e o GPS marca 29 Km, pelo que pensava que faltaria 1 Km para a meta. Neste troço passei mais 5 atletas dos que iniciaram a prova com o tal ritmo forte. Segui depois calmamente no meu ritmo até à meta, que estava não a 1Km mas sim quase a 4, terminando a prova com praticamente 33 Km ao invés de 30.

No final fiquei em 13 lugar da classificação geral, com 3h46 de prova e um ritmo de 6:56/km, o que se enquadrou exactamente no que pretendia.

O percurso desta prova é bonito, talvez por ser bastante diferente das corridas em serra, e mostra diversos encantos da paisagem alentejana.

A organização tem de melhorar alguns pontos, nomeadamente no que diz respeito à marcação do percurso, onde as fitas de marcação utilizadas, de cor branca, se confundiam muitas vezes com outros elementos da paisagem, confundindo os atletas, e em particular nos últimos 16 km da prova. No Km final houve também um entroncamento onde duas direcções diferentes se encontravam marcadas com fitas o que gerou igualmente alguma confusão. Os abastecimentos foram em número suficiente, com água, fruta, e bolachas e marmelada, e estava ajustado para o número de participantes.

Em resumo, esta é uma boa prova que merece sem dúvidas uma segunda edição, e claro, que o número de participantes aumente pelo menos 3 ou 4 vezes para ser uma festa ainda mais bonita.

A manhã terminou com uma bela carne de alguidar com migas de espargos.

Um abraço para o António Lopes que terminou uns minutos depois de mim, e para o Paulo Taboas que em dia de aniversário conclui-o esta prova num excelente 4ºlugar.

Para quem gosta destas coisas o link com o percurso e com a minha participação.

Continuação de bons treinos e boas corridas!!!

Os irredutíveis Gauleses no Ultra Trail de São Mamede


Vou correr 100 Km. A frase apesar de curta parece interminável e, quando dita assim, a seco, assusta quase tudo e quase todos. Mas há sempre aqueles que procuram um novo desafio, uma nova aventura, uma luta contra eles próprios em que só eles sairão vencedores, uma empreitada louca e irresistível em que o resultado final supera toda a imaginação até então conhecida. Como um bando de irredutíveis Gauleses, eu,o Vargas, o Hugo, o Nélson, o Paulo, o Camané, o Veiga, o Bruno e o Mata, fomos a Portalegre na certeza que iriamos derrotar os romanos, personalizados nos 100 Km do Ultra Trail de São Mamede. E nem foi preciso poção mágica. A raça, o querer e a ambição de superar este desafio, tornaram estes estreantes em provas com três dígitos, em dignos e orgulhosos Finishers dos 100 Km do Ultra Trail de São Mamede.

10 Trail Runners à Partida, 10 Trail Runners à Chegada. Thats the way I like it!!!
Parabéns a nós por termos cumprido este fantástico objectivo!!!

Continuação de bons treinos e boas corridas!!

Teste ao Smartphone Quechua Phone 5″

O Smartphone Quechua Phone 5”, também conhecido como o telefone da Decathlon, foi enumera vezes tema de conversa entre mim e diversos companheiros de corridas que também apreciam estes gadgets tecnológicos. As opiniões acerca do equipamento dividiam-se, mas o que é certo que ninguém tinha experimentado na montanha este equipamento, pelo que as opiniões não eram esclarecedoras acerca da potencialidade do mesmo para este fim. Para satisfazer a curiosidade de muitos trail runners, propus à Decathlon que me cedesse um destes equipamentos para testá-lo, do ponto de vista do Trail Runner, durante os 107 Km do Gerês Trail Adventure e Ultra Trail de São Mamede, proposta que a Decathlon aceitou e assim torna possível este texto.

Análises descritivas das características do hardware deste equipamento há muitas e em diversos sites, pelo que se pretendem uma lista de características exactas do hardware deste telefone recomendo que vejam o site da Decathlon clicando aqui ou o site Quechua para este equipamento clicando aqui.

Do ponto de vista tecnológico este telefone não é o último grito de tecnologia. No entanto e na minha opinião, quem procura o último grito em tecnologia tem telefones da Apple, da Samsung, da HTC, só para referir algumas marcas, que irão fazer a delícia do utilizador e despertar a inveja aos seus amigos em termos de performance e design. Por seu lado o Quechua Phone 5” é um telefone para um nicho de mercado: os frequentadores da montanha. Assenta numa plataforma sólida e já testada, com hardware e software igualmente bem testados e sólidos, com uns upgrades aqui e ali que fornecem algumas características ímpares ao equipamento, sendo tudo “empacotado” numa caixa de aparência bem robusta, à prova de água e de poeiras. Disto isto, permitam-me regressar uns dias atrás, ao dia em que levantei este equipamento na Decathlon de Alfragide.

Uaaauuuu, foi a minha primeira palavra ao retirar o telefone da respectiva embalagem. Surpreendeu-me o peso do telefone, quase 500 gramas, e as suas dimensões. Eu que estou habituado a usar telefones pequenos, via-me agora obrigado a usar por alguns dias um verdadeiro “tijolo” com 15 cm de altura, 8 de largura e 1,2 de espessura. Estas dimensões são mais ou menos o standard do mercado nos telefones de 5”, apenas a generosa bateria de 3500 mAh explica a maior espessura e peso do telefone.

Enquanto utilizador habitual de smartphones devo dizer que as características gerais deste equipamento, não sendo o state of art, são bastante generosas e funcionais: Processador quad-core de 1.2 Ghz, 1 Gb + 4 Gb de memória, camara de 5 MP atrás e 2 MP à frente,  sistema operativo da Google Jelly Bean 4.1, e todo o tipo de conexões necessárias para ligar periféricos comuns dos nossos dias. 
A utilização diária do telefone faz-se tranquilamente quer ao nível de chamadas quer ao nível da utilização das diversas aplicações de internet que todos nós utilizamos.


Enquanto Trail Runner os itens que efectivamente pretendia testar e comprovar eram:
  • Duração da Bateria;
  • Fiabilidade do GPS e Altímetro Barométrico;
  • Usabilidade do ecrã em condições atmosféricas adversas;
  • Resistência ao choque e usabilidade geral em condições atmosféricas adversas.

Duração da Bateria

A bateria do Quechua Phone 5″ é uma verdadeira fonte de energia, que dura, dura e dura. É sem dúvida um dos pontos fortes deste telefone. O teste mais longo que acabei por fazer a este equipamento foi o Ultra Trail de São Mamede. Foram mais de 100 Km que corri em 21h50. Durante estas 21h50 o telefone foi sempre ligado e sempre com o GPS activo. Tirei cerca de 50 fotos e filmei 3 vídeos. Fiz diversas chamadas ao longo do percurso para familiares que me acompanhavam ao longe e para outros atletas que se encontravam em pontos distintos da prova, e no final da prova a bateria ainda apontava cerca de 23% de capacidade disponível.  No Gerês Trail Adventure a performance ao longo dos três dias da prova foi igualmente notável. Nos 60 Km do segundo dia deste desafio e após 14 horas de corrida e registo contínuo de GPS, igualmente com utilização do telefone e máquina fotográfica – ainda que não tão intensiva como no UTSM, a bateria apontava 51% de capacidade disponível.

GPS e Altímetro Barométrico

Um dos pontos que me desiludiu quando liguei este equipamento, foi a ausência de software específico para o mesmo. A publicidade da marca indicia que este seria fornecido com equipamento específico para as aventuras de montanha, mas na realidade apenas temos à nossa disposição todas as aplicações disponíveis na Google Play. Assim sendo optei por registar os três dias do Gerês Trail Adventure e o Ultra Trail de São Mamede, utilizando o meu já conhecido software Strava. Devo dizer que não consegui determinar a marca e modelo do chip do GPS utilizado neste telefone, mas que este é bastante rápido a adquirir um fix do sinal GPS, mesmo sem a ajuda do GPS assistido pela rede 3G. Todo o registo das quatro provas foi obtido utilizando apenas o GPS do telefone sem recurso a GPS assistido. Como handicap, devo dizer que o telefone foi sempre utilizado dentro do bolso traseiro da minha mochila, e sem especial cuidado no posicionamento do telefone, que por vezes pode ter favorecido a recepção do sinal GPS e certamente que noutras vezes não. O Strava utiliza um registo do percurso de GPS “inteligente” com registo de pontos de x em x segundos, e para comparação registei igualmente os percursos com o meu relógio Arival SQ-100. O registo no relógio foi efectuado de 2 em 2 segundo nas provas do Gerês Trail Adventure, e registo de 3 em 3 segundo do UTSM. Podem comparar a precisão dos track obtidos com a combinação Strava+Quechua e com o relógio, sendo que como esperado o relógio é seguramente mais preciso. No entanto o desempenho do Quechua é bastante positivo para este tipo de equipamentos. Diria que para o montanheiro o GPS é mais do que preciso para essa actividade, para o trail runner é um equipamento que não compromete no registo dos treinos/provas, mesmo nos percursos mais fechados e difíceis. Relativamente ao altímetro barométrico não tive oportunidade de testar em exclusivo esta funcionalidade. O seu funcionamento em conjunto com o GPS apresentou sempre a altimetria esperada para os locais onde estava.
Clicando nas imagens seguintes podem comparar em pormenor os tracks do Gerês Trail Adventure e do Ultra Trail de São Mamede no mapmyrun.com


Usabilidade do ecrã

Outro dos pontos que me despertava alguma curiosidade, era o anúncio do ecrã estar optimizado para uma boa visualização mesmo em condições de muita luminosidade. E confirmo essa mesma característica. A utilização do ecrã em ambientes com muito sol e muita luz, como aconteceu no UTSM, é bastante eficiente. Com um telefone “normal” a visualização do ecrã seria impraticável sob o sol do Alentejo, mas o Quechua passou com um satisfaz bastante mais este teste. Já a sua utilização sob chuva e bastante humidade, como aconteceu no Gerês, requer alguma habituação. O ecrã táctil apesar de funcionar molhado, perde alguma precisão ou pelo menos é necessário “apanhar o jeito” necessário a utilizar o ecrã táctil nestas condições. A camara traseira do telefone também sofre com a humidade, e não nos podemos esquecer de a limpar antes de a usar em ambientes húmidos ou as fotografias sairão “desfocadas” com a humidade na lente.
Resistência ao choque e usabilidade geral em condições atmosféricas adversas

Um dos testes que me abstive de efectuar foi o da resistência ao choque. Não deixei cair o

telefone nenhuma vez e a utilização diária foi normal. Durante as provas o telefone foi sempre transportado na bolsa traseira da minha mochila, sem qualquer cuidado no seu posicionamento, muitas vezes por cima dessa bolsa ainda seguiam os bastões que me ajudaram nas subidas mais ingremes e que em alguns troços poderão ter sido uma dificuldade acrescida à recepção do sinal GPS com o telefone. No Gerês apanhámos de tudo um pouco: nevoeiro, humidade intensa, chuva intensa, e também algum sol e calor. No UTSM apanhamos sobretudo muito sol e calor com temperaturas muito perto dos 30º. Confesso que apesar da caixa de aparência bastante sólida e robusta com que este telefone é equipado, tinha alguma desconfiança no que diz respeito às protecções das ranhuras para USB/auscultadores e simcard/SD card, mas após o teste à chuvada do Gerês tenho de admitir que funcionam bastante bem, pelo facto de não ter sido manifestado nenhum problema relacionado com estas ranhuras.

Conclusões

Este não é um equipamento para quem quer o último grito de tecnologia. Pela sua dimensão e peso também não é um equipamento ideal para quem quer registar treinos e/ou corridas de estrada. Como pontos menos fortes deste equipamento destaco o tamanho e o peso; a ausência de software específico, o que obriga a alguma pesquisa pela loja da Google; a resolução do ecrã que poderia ser um pouco melhor.
É um equipamento com um desempenho diário “normal” bastante razoável ou bom, e um desempenho em montanha muito bom. O GPS é rápido é fiável, o altímetro barométrico pode ser de grande utilidade em provas ou passeios na alta montanha, o ecrã tem um bom desempenho debaixo de sol e uma utilização regular quando húmido ou molhado, e a bateria e respectiva autonomia são o ponto mais forte deste equipamento. Na minha opinião para passeios de montanha e treinos/provas de trail running onde se leve uma mochila ou cinto, este é um equipamento com bastante potencial, e que poderá substituir o transporte de outros equipamentos, carregadores e baterias.

Quero agradecer à Decathlon a possibilidade que me deu de testar este equipamento, e assim poder partilhar convosco todas as potencialidades do mesmo de um ponto de vista do corredor de trilhos.

Continuação de bons treinos e de melhores corridas!!!

UTSM – Ultra Trail de São Mamede – Live

É já às 00h00 deste Sábado dia 17, que terá inicio os 100 Km do Ultra Trail de São Mamede.


Esta é a terceira edição desta já mitica prova, e será a minha estreia em provas com três digitos.

O treino está feito e lá mais para o final da tarde de Sábado já poderei dizer se foi ou não suficiente para completar este desafio com sucesso.

A organização do UTSM proporciona uma plataforma online onde poderão acompanhar o desempenho dos participantes nas provas dos 100 Km. É a primeira vez que esta plataforma vai funcionar nesta prova e não há garantia que funcione a 100%, mas vale a pena passar por lá e tentar acompanhar a prova dos amigos e conhecidos.

Para acederem à plataforma cliquem aqui.

Também podem acompanhar todos os desenvolvimentos da prova no Facebook do UTSM, para tal cliquem aqui.

No Twitter também podem acompanhar com #UTSM.

Desta vez a equipa ACCVCAVI é composta por mim, pelo Vargas e pelo Mata.

Os nossos dorsais são:
493 Nuno Gião
492 João Vargas
556 João Mata


Sigam também outros amigos que aparecem de vez em quando em algumas aventuras partilhadas aqui no blog:

137 Hugo Fragoso
594 Nelson Marques
313 Paulo Raposo
399 Carlos Caetano
293 João Veiga
225 Bruno Regalo


A todos os participantes no UTSM votos de boa sorte e que chegem ao fim sem um empeno muito grande!!! 🙂

A primeira inscrição de 2014

No início de 2013, houve UMA ideia que me entrou na cabeça e não saiu mais até ao dia 28 de Julho; a participação na Ultra Maratona Atlântica (UMA). Nesse dia concluí a UMA e na realidade essa ideia não me saiu da cabeça, apenas foi revezada pela ideia de voltar a repetir a aventura em 2014.


Com a troca de UMA ideia fixa pela repetição dessa mesma ideia, outra ideia passou a RONDAr na cabeça. Sim, os 101 Km de Ronda andaram a rondar na minha cabeça até onteontem, altura em que a minha velocidade para sprintar na inscrição aos 101 Km de Ronda não foi suficiente para bater a dos outros 2500 atletas que se conseguiram inscrever e dos outros 764 que ficaram em lista de espera à minha frente. É impressionante como para nos inscrevermos numa prova de 101 Km tudo tenha de ser feito ao sprint. Sprint porque os 2500 lugares disponíveis esgotaram nos primeiros 11 minutos após a abertura das inscrições.

Falhado à nascença o objectivo Ronda, era urgente “afogar as mágoas” por os desígnios do destino não quererem que fosse até território de nuestros hermanos. A alternativa encontrada até está aqui mais perto, não irei correr 101 Km mas apenas 100 Km, isto na perspectiva, optimista claro está, de que não me irei perder pelos montes e vales da Serra de São Mamede e de que o track da prova estará correcto ao milímetro.

Hoje e após alguma espera para disponibilidade de novas vagas, efectuei a primeira inscrição de 2014 e lá me consegui inscrever no Ultra Trail de São Mamede, que é como diz a organização: uma viagem maravilhosa entre os castelos de Portalegre, Alegrete, Marvão e Castelo de Vide. 100% trail, 100% running, 100% calor humano, 100% a pensar no runner!

E é isto. Agora falta a parte não menos importante: treinar, preparar o corpo e a mente para a estreia oficial numa prova com três dígitos.

Continuação de bons treinos!!!