Dos 100Kg aos 100Km – Semanas 3 a 7

As primeiras dificuldades em cumprir o plano de treinos surgiram já na sua terceira semana.

Sabem como é, vésperas de Natal e as tarefas correspondentes ao período Natalício, que nunca são tão rápidas de realizar como as idealizamos, e foi uma semana onde apenas consegui correr 21 quilómetros dos 70 planeados. E como um mal nunca vem só o pior ainda estava para vir…

Entrámos na semana 4 e até estava a correr bem, quando comi algo que me provocou um desarranjo intestinal que começou no Trail da Salamandra 232 e que durou até ao final da semana seguinte. Resumindo a semana 4 acabou com 25 quilómetros dos 63 planeados e, a semana 5 do plano de treinos, foi concluída com a brilhante marca de 0 quilómetros em 78 planeados. O lado positivo foi o de ter uma semana a chá e torradas, que permitiu para não aumentar o peso.

Em termos de forma estas três semanas representaram uma caída a pique dos 952 pontos que entretanto atingira em meados de Dezembro, para os 497 pontos (ou seja o regresso à estaca zero) a 6 de Janeiro deste ano.

Entretanto entrámos na semana 6 do plano e consegui finalmente recomeçar a treinar. Como consequência das semanas anteriores tive de fazer alguns reajustes ao plano inicial, uma vez que estas semanas seriam de carga, isto é de muitos quilómetros, e não deveria entrar logo a matar.

Assim na semana 6 cumpri 63 Km dos 78 inicialmente planeados. Já deu para fazer um treino longo de 30Km e no dia seguinte participar no Grande Prémio de Atletismo de Valejas. Nem um nem outro correram grande coisa. O treino longo, fruto de tantas paragens, correu bem até aos 25/26Km mas depois fui contra o “muro” com tanta violência que os 4Km finais foram mesmo penosos. Obviamente no dia seguinte as pernas não estavam fresquinhas para acelerar o máximo que conseguisse no Grande Prémio de Valejas, prova com cerca de 8Km. Ainda assim não fui o último na equipa do pessoal do meu trabalho, o que já foi um ponto positivo.

Entrámos na semana 7 do plano onde estavam inicialmente planeados 85Km de treino. Obviamente não podia, ou pelo menos não devia, aumentar mais de 30% a quilometragem de uma semana para a outra. Terminei assim a semana 7 do plano com cerca de 70Km, incluindo um treino rolante mais longo nos trilhos de Monsanto com o pessoal dos Esquilos.

Regressando aos indicadores de performance, terminei a semana 7 com 845 pontos de forma, ainda longe dos 952 que já tinha atingido em Dezembro e do objectivo final de mais de 2000 pontos.

O lastro continua a diminuir e já baixei os 92Kg, sendo esta a tendência a seguir.

Resta continuar a treinar para atingir os objectivos.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Dos 100Kg aos 100Km – Semana 2

Continua em curso o meu plano dos 100Kg aos 100Km.

A semana passada foi a segunda semana de treinos e, pela segunda semana consecutiva, consegui atingir os objectivos.

Segunda feira guiei como habitualmente o Kalorias Running, num treino rolante de 12Km.

Depois seguiu-se um treino de 10Km com rampas pelo meio, onde quase já consigo fazer as rampas sem parar, (o próximo objectivo é fazer as rampas sem abrandar), e na quinta um treino de 11Km à chuva, também com umas boas subidas pelo meio.

A semana de treinos terminou com 24Km no Sábado e 7Km no Domingo no Grande Prémio da Cruz Quebrada.

No total foram pouco mais de 64Km. O meu peso continua na caminhada descendente terminando a semana com 93,2Kg.

Ao nível do fitness a semana acabou com 950 pontos, menos de metade do objectivo a atingir, mas isto ainda agora está a (re)começar.

Continuação de boas aventuras!!!

Dos 100Kg aos 100Km – Semana 1

A passada semana foi a primeira do meu plano dos 100Kg aos 100Km.

Um 2017 com muita “engorda” e pouca corrida que culminou no aumento da balança para números a que já não estou habituado, e um 2018 que se quer novamente de boa forma, delinearam este plano e esta sugestiva designação.

Dos 100Kg aos 100Km é um plano de 24 semanas onde o objectivo é perder o peso entretanto ganho e voltar a uma corrida de 100Km, lá para Maio portanto.

Dezembro e Janeiro são dois meses tradicionalmente difíceis para mim para perder peso e manter a forma, pelo que vamos ver como me vou safar.

Esta semana corri 60 quilómetros dos 62 inicialmente previstos.

Cumpri o treino longo de 20Kms, fiz um treino em pirâmide e um treino de rampas, o que foi talvez um pouco demais para a primeira semana, mas senti-me bem. Quase 1000 metros de desnível positivo não é nada, mas para uma semana que devia ter sido completamente plana, deu para compensar os 2Km que faltaram ao objectivo de distância.

Com a má forma existente as últimas semanas exigiram um ajuste constante às zonas de frequência cardíaca de treino, que tenho controlado e ajustado sempre que necessário.

O meu nível de forma actual é de 732 pontos. O meu valor de referência é de finais de 2015, altura onde o meu nível de forma ultrapassava os 2000 pontos. Tenho portanto um longo caminho a percorrer.

Já o meu peso continua na sua caminhada descendente e perdi cerca de 1Kg nesta semana, pesando agora 94,5Kg.

Há que continuar a treinar e a perseguir o objectivo.

Continuação de boas aventuras!!!

Parque Urbano do Neudel

Desde que um enorme placard anunciava, à beira do IC19 e com imagens muito apelativas, a concretização do Parque Urbano do Neudel na Damaia, sempre estive curioso para o visitar. No Domingo foi o dia.

Fiquei desiludido pela dimensão do espaço. Tinha a ideia que seria bastante maior do que o é na realidade mas, no meio de uma zona altamente urbana, é melhor que nada.

O Parque ainda cheira a novo. Vegetação e árvores rasteiras ainda em fase de crescimento, espaço para as crianças ainda sem sinais de vandalismo, e os caminhos pedonais em muito bom estado.

O dia estava ventoso e com alguns aguaceiros pontuais, e por ali apenas circulavam meia dúzia de pessoas a passear o cão, um senhor que fazia uma caminhada vigorosa e eu que corria.

O plano de treinos indicava que deveria fazer 10Km planos em ritmo calmo, mas chegado ao Parque do Neudel logo verifiquei que tal seria impossível.

O Parque do Neudel é numa encosta e é um verdadeiro sobe e desce, com quatro/cinco caminhos que podemos escolher para subir ou descer, o que me obrigou a trocar o treino plano por um treino de rampas.

Dentro do possível fiz 13 rampas, todas com bem mais de 10% de inclinação e, se no inicio do treino a frequência cardíaca estava no máximo, para a segunda metade já estava em valores muito mais aceitáveis. Infelizmente na segunda metade do treino já começavam a faltar as pernas para tanto esforço.

Um treino a puxar para o duro, mas indispensável para recuperar a boa forma. Há que continuar a treinar.

Quanto ao Parque do Neudel, visitem num dia de sol que será sempre um bom passeio.

Continuação de boas aventuras!!!

Regresso aos 10Km

Nem de propósito, este artigo do sítio Corredores Anónimos sobre a perda de rendimento desportivo quando se falham treinos, veio parar à minha timeline.

Segundo o artigo, quando se falham 7 semanas de treino, a percentagem de perda de condição física vaia entre 90 a 100%, ou seja voltamos à estaca zero, quase como se nunca tivéssemos corrido na vida.

E é precisamente assim que me sinto, na estaca 0. Não foram 7 semanas mas antes 5 meses, com uma redução de carga de 100Km semanais para pouco mais de 10Km, e há dois meses atrás quando tinha retomado os treinos, aconteceu de novo uma entorse no tornozelo e lá foram os poucos treinos já efectuados por água abaixo.

Agora estou a retomar de novo, com a preciosa ajuda dos osteopatas do IMT que me colocaram literalmente os ossos todos no seu lugar, faltando ainda estabilizar a parte do ligamento, tradicionalmente mais morosa na recuperação.

Portanto tem sido um recomeço doloroso, com muito sacrifício, excesso de peso para queimar, sem muita carga quer nos quilómetros quer no ritmo de treino. Para já é o possível.

É neste cenário que amanhã vou participar na 12ª Corrida do Benfica, 10 Km que espero sejam divertidos, mas que antevejo penosos no que em termos de ritmo e resultado final diz respeito, ainda para mais considerando que a corrida começa às 11h15 e o calor vai fazer mossa.

Em 2012 esta foi a terceira corrida de 10 Km em que participei, podem reler esta memória clicando aqui e, amanhã, cinco anos e alguns milhares de quilómetros nas pernas depois, lá vou até Carnide, um lugar onde costumo ser feliz bastantes vezes.

Vamos juntos, nas calmas, e amanhã veremos o resultado.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

Boa sorte no UTMB 2017

Hoje é dia de dar os parabéns a uma dezena de amigos que tiveram a fortuna de ser sorteados para participar na edição de 2017 do Ultra Trail Mont Blanc.

Mas sensações que se têm quando se é sorteado e se vai participar pela primeira vez são, penso eu, uma mistura de alegria e de temor.

Alegria porque se vai participar numa das provas mais famosas do mundo, temor por que sabemos que ainda só estamos a meio caminho e que ainda vai ser preciso treinar duro nos 8 meses que faltam até à partida.

Participar no UTMB para um mortal como eu, é sobretudo um grande privilégio, pelo que há que ir com dias para desfrutar o evento, toda a semana em que o evento decorre se possível.

Participar no UTMB é como se um “coxo” que só sabe dar dois toques na bola, tivesse a oportunidade de treinar toda uma semana com o Real Madrid e ser titular no Domingo seguinte ao lado do Cristiano Ronaldo e companhia. É poder partilhar eventos com os melhores atletas de trail running do mundo, +e poder correr, ou pelo menos partir, ao lado deles, é desfrutar de uma mega organização, super profissional, onde efectivamente nos parece que tudo está no sítio e a funcionar.

Participar no UTMB é mesmo esse privilégio, de desfrutar o ambiente do evento, de sentir a energia da partida, de usufruir da entreajuda ao longo do percurso.

O Monte Branco é fantástico, subir aqueles picos é enorme, as paisagens são fabulosas, a organização do UTMB é fabulosa.

Vão, divirtam-se e regressem com muitas histórias para contar.

Nota: Os ainda mais “malucos” que vão participar na maior prova do Ultra Trail Mont Blanc, a PTL 290Km pelas montanhas em auto-suficiência, a minha insana solidariedade. O Sr. Ribeiro, o Sr. Manel, o Sr. Julião, o Sr. Bruno, o Sr. Diogo, o Sr. Gonçalo, entre outros, têm o meu respeito e estão mesmo no topo da loucura! Força e vou acompanhar a vossa aventura à distância mas com muita atenção. O Sr. Ribeiro vai ter histórias para partilhar nos próximos 5 anos…

__________

Peço a vossa ajuda para votarem neste blogue no RunUltra Blogger Awards 2017.

Cliquem aqui ou na imagem em baixo, escolham o meu nome para votar no Off The Beaten Track, vão até ao final da página e sigam as instruções que lá estão para concluir a votação e já está.

Agradeço desde já a vossa participação.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

The show must go on…

Ter de desistir no Ultra Trail Mont Blanc foi como falhar o último penálti na final da Liga dos Campeões.

Foi sentir a festa, sentir todo o ambiente à volta da prova, partilhar momentos com muitos outras atletas, sentir as dificuldades e desfrutar das paisagens fantásticas do Monte Branco, e chegar ao fim e ver os outros levantarem a taça.

Não me sinto desiludido pois sei que fiz o melhor que consegui. Sinto-me chateado e irritado comigo próprio porque um erro estúpido, de rookie, mas de qual apenas sou o único responsável, comprometeu tudo o que ficou para trás.

E para trás não ficaram apenas os quase 100Km que corri no UTMB, ficaram também, os 1400 Km de treino específico para esta prova, os 150 Km do Ultra Trail Cotê d’Azur, os 115 Km do MIUT, os 82 Km do Arrábida Ultra Trail, e os mais de 3500Km com que preparei estas provas que me permitiram qualificar e participar no UTMB.

Sabia bem ao que ia, daquilo que fiz deu para perceber que o UTMB não é mais duro que o Ultra Trail Cotê d’Azur. Estava relativamente bem preparado (para o meu nível) e, nos 100Km que percorri, não cheguei a conhecer o homem da marreta. Muscularmente estava bem e tinha a percepção que podia ir mais longe sem problemas.

Literalmente, eu tinha a marreta nas mãos e deixei-a cair nos meus pés.

Decisão de última hora antes da partida, decidi calçar umas meias mais grossas do que aquelas com que treinei nos últimos meses. Pior do que isso, apesar das centenas de quilómetros que já corri com aquelas meias, nunca tinha experimentado o binómio meias + ténis com que iniciei o UTMB. O muito calor que se fez sentir e o acumular de quilómetros, fez com que os meus pés inchassem mais que o normal. Em conjunto com umas meias mais grossas que o habitual e os pensos que levava nos dedos, criei uma mistura explosiva que começou a surtir efeito logo a partir do Km 16 quando se iniciou a descida para Saint-Gervais. Não sentia os pés confortáveis, os dedos queriam sistematicamente ultrapassar a frente dos ténis, e ou os encolhia ou os deixava roçar na malha. Cheguei a Saint-Gervais com essa sensação de desconforto, mas os longos quilómetros seguintes sempre a subir atenuaram essa sensação de desconforto. O pior veio a seguir com a descida para Les Chapieux. Sem perceber bem porquê cheguei lá em baixo com os pés desfeitos e os dedos dos pés quase mortos. A subida seguinte atenuou novamente a dor, mas a descida até Lac Compal foi novamente demolidora e, sei agora, acabou com o que restava dos meus dedinhos. Cheguei a Lac Combal e fiz aquilo que já deveria ter feito há mais tempo, descalçar-me e trocar as meias. Too late. A unha de meu dedo grande do pé direito estava completamente em sangue e a cada passo a descer era como se me espetassem um prego quente na parte da frente do pé. Subi até ao Col du Mont-Favre a pensar no que seria a descida até Courmayeur  e quando comecei a descer foi simplesmente brutal, o misto de sentimentos entre a força para continuar e o sacrifício para descer eram contraditórios, e claro correr era impossível, e tive de me arrastar descida abaixo.

Elapsed Time Moving Time Distance Average Speed Max Speed Elevation Gain
22:38:45 18:24:28 96.94 5.27 34.92 6,060.20
hours hours km km/h km/h meters

Chegado a Courmayeur a queimar o tempo limite, apenas tive tempo para tomar um duche rápido e tratar dos pés o melhor que pude. A hora era de decisões: parar ou continuar. Decidi continuar. Tinha esperança que a subida que se seguia me animasse e animou. A subir não tinha dores por aí além e até ao refúgio Bertone ultrapassei umas boas dezenas de outros atletas. A triste realidade veio depois a caminho do refúgio Bonatti, num terreno relativamente rolante, as dores no dedo do pé aumentaram e impediam-me mesmo de correr. Comecei a fazer contas aos tempos e aos quilómetros e achei que o melhor era parar já que a situação do dedo do pé só iria piorar e dificilmente iria conseguir recuperar algum tempo naquelas condições.

Deitei-me na relva a observar as montanhas e decidi dormitar 30 minutos. Não consegui dormir mas a beleza da paisagem valeu cada segundo ali dispensado. Prossegui em direcção ao Refúgio Bonatti lentamente e a desfrutar a montanha. Cheguei ao refúgio e abandonei a prova. Falhei o penálti mas a vida continua.

Hoje foi dia de regressar às corridas. O dedo do pé direito continua em recuperação, meio dormente, ainda não totalmente recuperado da aventura, mas já aguentou 10 quilómetros sem problemas.

The show must go on!

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

UTMB 2016, o adiar de um sonho…

A minha aventura no Ultra Trail do Mont Blanc teve de terminar a pouco mais de meio.

Detesto ter de desistir ou abortar a conquista de um objectivo a meio, custa muito ter a consciência de que se está a adiar um sonho, mas sendo a corrida um hobby, continuar a correr em condições físicas deficientes e/ou que poderiam colocar em risco mais grave o meu estado físico seria um enorme disparate, pelo que, ciente de todos os factos, sei que esta foi a decisão correcta a tomar.

Ainda assim foram quase 100 Km à volta do Monte Branco, com as pernas em muito bom estado, tendo sido atraiçoado pelos pezinhos de Cinderela que neste fim-de-semana não estavam para ali virados e, assim, sem poder correr ou andar em condições lá tive de abandonar.

Mas, na realidade, estou convencido que a culpa deste abandono foi do Vargas, que lá onde ele está, deve estar desconsolado com tudo isto.

Antes da partida tinha partilhado aqui que esta era a nossa corrida e que sabia que ele me ia ajudar nos momentos difíceis que surgissem durante a corrida.

Esperto como ele é, conhecedor que sou muito céptico acerca das ajudas divinas, estou convencido de que me mandou os pés dele cá para baixo, bem maiores que os meus, para me ajudar a ter mais aderência a subir e a descer. O malandro esqueceu-se foi de de me enviar um par de ténis 3 números acima, e assim a coisa não correu bem.

Para o ano, se tiver a sorte de lá voltar, não me vou esquecer desta possibilidade e assim trazer o “nosso colete de Finisher“!

Tenho centenas de mensagens de apoio de muitos familiares e amigos que agradeço desde já, e irei responder a todos assim que me for possível, pois hoje já é dia de regressar ao trabalho.

O sonho continua vivo e novas aventuras virão.

Ainda continuo a digerir toda esta aventura, mas se tiver sorte no sorteio para 2017, lá terei de voltar para fechar esta porta que se encontra escancarada.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

 

Lets go to the party

Agora é ir, não há volta a dar.

Neste momento o peso da ansiedade contrasta com o peso da mochila que daqui a pouco vou levar às costas.

Vou só ali dar a volta ao Monte Branco e já volto, em 170km e 20000m de desnível acumulado. A aventura deve demorar pouco menos que dois dias.

Parto feliz à aventura mas parto incompleto. Quiseram as vicissitudes do destino que desta vez os que mais gosto não pudessem estar comigo aqui presentes. Não vou ter assim aquele doping espetacular, que são os sorrisos e os afectos quando se chega a uma base de vida, já para não falar da preciosa ajuda que é ter alguém para nos ajudar nesses pontos.

Parto também incompleto porque vou partir sozinho. Esta era a “nossa aventura”, minha e do Vargas, e o malandro baldou-se em grande estilo. Agora tenho de a fazer pelos dois. Onde quer que ele esteja sei que vai estar a puxar por mim como fez em muitas outras corridas, e sei que quando cruzar a meta a cruzaremos juntos e o meu colete de finisher será o dele também.

Daqui a pouco é hora de arrumar a trouxa e zarpar. Vamos lá atacar o Monte Branco!

Para seguirem esta aventura é clicar em aqui.

Obrigado desde já a todos os que têm enviado as mais diversas mensagens de apoio.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!

 

Sigam o 1134 (e os outros também)

Faltam menos de 24 horas para a partida.

Até lá ainda vou receber na meta alguns amigos que participaram no OCC e desejar boa sorte aos que partem de manhã no CCC.

Para acompanharem tudo online sobre as provas do UTMB, basta clicarem aqui e seguir o link do Live Trail.

Na barra da procura escrevam o número do dorsal ou o nome do participante e já está.

Domingo espero aqui chegar com o mesmo sorriso na cara

Para me seguirem a mim basta procurar por 1134 ou Giao, e terão acesso a toda a informação sobre a minha corrida.

Para que gosta de ver outros planos mais engraçados e brincar com mapas e vistas, também me pode seguir na pagina do GPS em tempo real clicando aqui.

Também há a opção de seguir os vossos amigos ou atletas preferidos na APP LiveTrail, disponível para Apple e Android, assim podem acompanhar tudo em qualquer lado.

Por fim, podem ainda seguir o brilhante acompanhamento e estatísticas de toda a participação lusa nas provas do UTMB, que o Orlando Duarte faz no grupo Armada Lusa no UTMB 2016 clicando aqui.

A todos os que de algum modo me irão acompanhar e têm enviado energia positiva, deixo desde já o meu muito obrigado.

Boa sorte para todos os amigos que vão partir comigo mais logo no UTMB.

Continuação de bons treinos e de boas aventuras!!!